Competência Cultural e Atenção à Saúde da população de lésbicas, gays, bissexuais travestis e transexuais (LGBT).

Autores

  • Luana Dias da Costa Universidade de Brasília ( UnB)
  • Alana Dantas Barros Universidade de Brasília ( UnB)
  • Elizabeth Alves de Jesus Prado Universidade de Brasília ( UnB)
  • Maria Fátima de Sousa Universidade de Brasília ( UnB)
  • Edu Turte Cavadinha Universidade de Brasília ( UnB)
  • Ana Valéria Machado Mendonça Universidade de Brasília ( UnB)

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2314

Palavras-chave:

competência cultural, atenção à saúde, LGBT

Resumo

O preconceito e a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero são realidades enfrentadas por lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais (LGBT) na atenção à saúde. Visando reduzir as disparidades em saúde, a abordagem da competência cultural promove discussões sobre grupos populacionais com diferenças nas necessidades de cuidados de saúde, que resultem em iniquidades. Esta revisão integrativa da literatura objetivou analisar as produções científicas que abordam a competência cultural dos profissionais da saúde em relação à população LGBT. A pesquisa foi realizada nas bases de dados, PubMed, Scielo, Biblioteca Virtual em Saúde (BVS) e Scopus, em agosto de 2016. Os descritores utilizados para a busca foram: “competência cultural”, “atenção à saúde” e “LGBT”. Foram identificadas 355 publicações científicas. Após a leitura dos títulos e resumos, 63 foram selecionados para a análise do texto completo, dos quais resultaram 43 estudos que foram analisados. Os achados indicaram a falta de discussão acadêmica sobre a temática nos currículos de formação das profissões da saúde. Demonstrando que a prática profissional tem sido marcada pelos padrões culturais heteronormativos, resultando em práticas de cuidado inadequadas e preconceituosas. Desta forma a construção de discussões baseadas em orientações publicadas por especialistas e organizações profissionais se mostra urgente. Havendo que se discutir as diferenças entre crenças e atitudes sociopolíticas, legais e culturais, visando combater estigmas e preconceitos geradores de barreiras ao acesso e à qualidade da atenção à saúde integral da população LGBT.

Biografia do Autor

Luana Dias da Costa, Universidade de Brasília ( UnB)

Sanitarista, graduada em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UnB). Pesquisadora do Laboratório de Educação, Informação e Comunicação em Saúde (ECOS/FS/UnB).

Alana Dantas Barros, Universidade de Brasília ( UnB)

Mestranda em Saúde Coletiva na Universidade de Brasília- UnB, pesquisadora júnior do Núcleo de Estudos em Saúde Pública (NESP/UnB); Observatório da Política Nacional da Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais no Sistema Único de Saúde.

Elizabeth Alves de Jesus Prado, Universidade de Brasília ( UnB)

Mestre em Saúde de Coletiva. Especialista em Gestão em Políticas Informadas por Evidências pelo Hospital Sírio-Libanês(2016). Possui graduação em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UnB). Atualmente é Pesquisadora do Núcleo de Estudos em Saúde Pública/CEAM/UnB.

Maria Fátima de Sousa, Universidade de Brasília ( UnB)

Doutora Honoris Causa pela Universidade Federal da Paraíba, com pós doutorado pelo Centre de Recherche sur la Communication et la Santé (ComSanté), da Université du Québec à Montréal (UQAM). Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade de Brasília, mestre em Ciências Sociais pela UFPB, especialista em Saúde Coletiva e graduada em Enfermagem pela UFPB. Professora adjunta IV do Departamento de Saúde Coletiva, da Faculdade de Ciências da Saúde.

Edu Turte Cavadinha, Universidade de Brasília ( UnB)

Graduado em Enfermagem pela Universidade de Pernambuco (2005). Concluiu o Mestrado em Enfermagem pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2008), e Doutorado em Ciências (Saúde Pública) pela Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo - FSP/USP (2012). Atualmente, integra o Observatório da Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (NESP/UnB). È professor voluntário do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade de Brasília (UnB).

Ana Valéria Machado Mendonça, Universidade de Brasília ( UnB)

Professora adjunta IV do Departamento de Saúde Coletiva, da Universidade de Brasília (UnB). Pós doutora em Comunicação em Saúde, pelo Centre de Recherche sur la Communication et la Santé (ComSanté), da Université du Québec à Montréal (UQAM). Possui doutorado em Ciência da Informação pela UnB, mestrado em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, especialização em Administração da Comunicação Empresarial e graduação em Jornalismo e Relações Públicas.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa, Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais TT. 2013: 32.

MarchioriBuss P, Pellegrini A, Resumo F, Buss PM, Filho AP. A Saúde e seus Determinantes Sociais. PHYSIS Rev Saúde Coletiva 2007; 17: 77–9377.

Butler M, McCreedy E, Schwer N, Burgess D, Call K, PrzedworskiJ et al. No Title. Rockville (MD), 2016.

Hancock A-M, Hancock CR. Don’tallveins look alike? Comprehensivelyattendingtodiversitywithinthe vascular surgicalspecialty. J VascSurg 2010; 51: 42S–46S

Shankle MD. The handbookoflesbian, gay, bisexual, andtransgenderpublichealth : a practitioner’sguidetoservice. Harrington Park Press, 2006.

Boroughs MS, AndresBedoya C, O’Cleirigh C, Safren SA. TowardDefining, Measuring, andEvaluating LGBT Cultural Competence for Psychologists.ClinPsychol (New York) 2015; 22: 151–171.

Judith Butler. Problemas de gênero – feminismo e subversão da identidade. Civilização Brasileira. 2003. Rio de janeiro.

Judith Butler. O parentesco é sempre tido como heterossexual? ArtigCadpagu 2003; : 219–260.

Smith FD. PerioperativeCareoftheTransgenderPatient. AORN J 2016; 103: 151–163.

Kelly RJ, Robinson GC. Disclosureofmembership in thelesbian, gay, bisexual, andtransgendercommunitybyindividualswith communication impairments: a preliminary web-basedsurvey. Am J speech-languagePathol / Am Speech-Language-HearingAssoc 2011; 20: 86–94.

Fredriksen-Goldsen KI, Hoy-Ellis CP, Goldsen J, Emlet CA, Hooyman NR. Creating a vision for the future: keycompetenciesandstrategies for culturallycompetentpracticewithlesbian, gay, bisexual, andtransgender (LGBT) olderadults in thehealthandhumanservices. J GerontolSocWork 2014; 57: 80–107.

Mendes KDS, Silveira RC de CP, Galvão CM. Revisão integrativa: método de pesquisa para a incorporação de evidências na saúde e na enfermagem. Texto Context - Enferm 2008; 17: 758–764.

Brasil. Conselho de Saúde. ResoluçãO No 510, DE 07 de abril de 2016. Disponivél em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf, acessado 25 nov2016.

Albuquerque GA, Alves D de A, Parente JS. Assistência a Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais Vítimas de Violência nos Serviços de Saúde. Saúde TransformSoc / HealSoc Chang 2016; 7: 36–48.

Robinson A. The transgenderpatientandyourpractice: whatphysiciansand staff needtoknow. J MedPractManage 2010; 25: 364–367.

Gibson B, Catlin AJ. Careofthechildwiththedesiretochangegenders - part III: male-to-femaletransition. PediatrNurs 2010; 36: 268–272.

Portz JD, Retrum JH, Wright LA, Boggs JM, Wilkins S, Grimm C et al.Assessingcapacity for providingculturallycompetentservicesto LGBT olderadults. J GerontolSocWork 2014; 57: 305–321.

Hoffman ND, Freeman K, Swann S. Healthcarepreferencesoflesbian, gay, bisexual, transgenderandquestioningyouth. J Adolesc Health 2009; 45: 222–229.

Hancock A, Haskin G. Speech-LanguagePathologists’ KnowledgeandAttitudesRegardingLesbian, Gay, Bisexual, Transgender, andQueer (LGBTQ) Populations. Am J speech-languagePathol / Am Speech-Language-HearingAssoc 2015; 24: 206–221.

Daniel H, Butkus R. Lesbian, Gay, Bisexual, andTransgender Health Disparities: ExecutiveSummaryof a Policy Position PaperFromthe American CollegeofPhysicians. Ann InternMed2015; 163: 135–137.

Aguilar E, Fried J. Enhancing dental and dental hygienestudentawarenessofthelesbian, gay, bisexualandtransgenderpopulation. J DentHyg2015; 89: 11–16.

Coren JS, Coren CM, Pagliaro SN, Weiss LB. Assessingyour office for careoflesbian, gay, bisexual, andtransgenderpatients. Health CareManag (Frederick) 2011; 30: 66–70.

Fiocruz. Equidade - SUS: O que é? Leia mais no PenseSUS | Fiocruz. Disponível em, http://pensesus.fiocruz.br/equidade. Acessado em 10 de outubro de 2016.

Fish J, Evans DT. Guest Editorial: Promoting cultural competency in thenursingcareof LGBT patients. J Res Nurs 2016; 21: 159–162.

Schilder AJ, Kennedy C, Goldstone IL, Ogden RD, Hogg RS, O’Shaughnessy M V. Beingdealtwith as a wholeperson.” Careseekingandadherence: thebenefitsofculturallycompetentcare. SocSciMed2001; 52: 1643–1659.

Goins ES, Pye D. Checkthe box thatbestdescribesyou: reflexivelymanagingtheoryandpraxis in LGBTQ health communication research. Health Commun2013; 28: 397–407.

Kosenko K, Rintamaki L, Raney S, Maness K. Transgenderpatientperceptionsofstigma in healthcarecontexts. MedCare 2013; 51: 819–822.

Baker K, Beagan B. Makingassumptions, makingspace: ananthropological critique of cultural competencyand its relevancetoqueerpatients. MedAnthropol Q 2014; 28: 578–598.

Sanders S. Compassionatelycaring for LGBT persons in yourfaithcommunity. J ChristNurs 2012; 29: 206–208.

Hurd Z. American geriatricssocietycareoflesbian, gay, bisexual, andtransgenderolderadults position statement: American geriatricssocietyethicscommittee. J AmGeriatrSoc 2015; 63: 423–426.

Strong KL, Folse VN. Assessingundergraduatenursingstudents’knowledge, attitudes, and cultural competence in caring for lesbian, gay, bisexual, andtransgenderpatients. J NursEduc 2015; 54: 45–49.

Irwin L. Homophobiaandheterosexism: Implications for nursingandnursingpractice. Aust J AdvNurs 2007; 25: 70–76.

Ash M, Mackereth CJ. Assessingthe mental healthandwellbeingofthelesbian, gay, bisexualandtransgenderpopulation. CommunityPract 2013; 86: 24–27.

Santos EC, Calvetti PU, Kátia B. Rocha, Andreína Moura, Lúcia H. Barbosa, Júlia Hermelet al. Percepção de Usuários Gays, Lésbicas, Bissexuais e Transgêneros, Transexuais e Travestis do Sistema Único de Saúde. Interam J Psychol2010; 44: 235–245.

Sánchez NF, Sánchez JP, Lunn MR, Yehia BR, Callahan EJ. Firstannual LGBT healthworkforceconference: Empoweringourhealthworkforcetobetter serve LGBT communities. LGBT Heal 2014; 1: 62–65.

Publicado

2017-11-13