A Educação Permanente como ferramenta no trabalho interprofissional na Atenção Primária à Saúde.

Autores

  • Patrícia Feitoza Santos Auditora em Saúde do município de Ubajara-Ce.
  • Kamyla de Arruda Pedrosa Professora do Curso de Enfermagem das Faculdades INTA.
  • José Reginaldo Pinto Professor do Curso de Enfermagem das Faculdades INTA.

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i3.1641

Palavras-chave:

Educação Permanente em Saúde, Estratégia Saúde da Família, Atenção Primária à Saúde.

Resumo

Esse trabalho teve o objetivo de descrever os relatos dos profissionais de saúde da atenção básica ao vivenciar a experiência de sessões de Educação Permanente em Saúde no município de Ubajara-Ce. Trata-se de um estudo documental, restrospectivo, descritivo, de natureza qualitativa. Utilizou-se como instrumento de coleta de informações registros das atas das reuniões das oficinas da Atenção Primária à Saúde (APS) com os trabalhadores do município, ocorridas nos anos de 2011 e 2012. A análise desses documentos ocorreu durante os meses de janeiro a fevereiro de 2015. Descreveram-se quatro eixos norteadores abordados nas sessões de educação permanente com os profissionais. A análise do discurso dos participantes arquitetou os achados encontrados nas informações pesquisadas. Revelou-se que houve um redirecionamento das práticas dos serviços executadas em diferentes unidades existentes em Ubajara, após as oficinas. Os profissionais melhoraram sua assistência nas linhas de cuidados à saúde oferecida a diferentes grupos que prestavam atendimentos. Essa experiência demonstrou que a educação permanente implantada proporcionou resultados significativos e de impacto para gestão da saúde de Ubajara.

Biografia do Autor

Patrícia Feitoza Santos, Auditora em Saúde do município de Ubajara-Ce.

Enfermeira. Mestre em Saúde da Família.

Kamyla de Arruda Pedrosa, Professora do Curso de Enfermagem das Faculdades INTA.

Farmacêutica. Especialista em Gestão em Economia da Saúde.

José Reginaldo Pinto, Professor do Curso de Enfermagem das Faculdades INTA.

Enfermeiro. Doutorando e Mestre em Saúde Coletiva.

Referências

Ministério da Saúde. A educação permanente entra na roda: polos de educação permanente em saúde: conceitos e caminhos a percorrer. Brasília: Ministério da Saúde, 2005.

Nicoletto SCS et al. Polos de educação permanente em saúde: uma análise da vivência dos atores sociais no norte do Paraná. Interface (Botucatu). 2009 Sep; 13(30): 209-219.

Stroschein KA, Zocche DAA. Educação permanente nos serviços de saúde: um estudo sobre as experiências realizadas no Brasil. Trab. educ. saúde. 2011 Nov.; 9(3):505-519.

Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. Chamado à ação de Toronto 2006-2015: Rumo à década de recursos humanos em saúde nas Américas. Brasília: MS, 2006.

Mendonça FF, Nunes EFPA. Necessidades e dificuldades de tutores e facilitadores para implementar a política de educação permanente em saúde em um município de grande porte no estado do Paraná, Brasil. Interface (Botucatu). 2011 Sep; 15(38): 871-882.

Ellery AEL, Bosi MLM, Loiola FA. Integração ensino, pesquisa e serviços em saúde: antecedentes, estratégias e iniciativas. Saude soc. 2013 Mar; 22(1): 187-196.

Oliveira IC, Rocha RM, Cutolo LRA. Algumas palavras sobre o nasf: relatando uma experiência acadêmica. Rev. bras. educ. med. 2012 Dec; 36(4):574-580.

Lino MM et al. Educação permanente dos serviços públicos de saúde de Florianópolis, Santa Catarina. Trab. educ. saúde. 2009 June; 7(1):115-136.

Ramos M. Educação pelo trabalho: possibilidades, limites e perspectivas da formação profissional. Saude soc. 2009 June; 18(Suppl 2): 55-59.

Midwest business group on health. Juran Institute. Reducing the cost of poor-quality health care through responsible purchasing leadership. BMJ, 2002.

Machado MC, Pires CGS, Lobão WM. Concepções dos hipertensos sobre os fatores de risco para a doença. Ciênc. saúde coletiva. 2012 Maio; 17(5): 1357-1363.

Souza FL et al. A política municipal de Educação Permanente em Sobral. Sanare. 2008; 7(2):14-22.

Batista N et al. O enfoque problematizador na formação de profissionais da saúde. Revista de Saúde Pública. 2005; 39(2):231-237.

Viana ASA et al. Recursos humanos na atenção básica, estratégias de qualificação e polos de educação permanente no estado de São Paulo. São Paulo: Centro de Estudos de Cultura Contemporânea/Consórcio Medicina USP, 2008.

Reis DC. Educação em saúde aspectos históricos e conceituais. In: Grazinelli MF, Marques RC. Educação em saúde: teoria, métodos e imaginação. Belo Horizonte: UFMG, 2006. p. 19-24.

Coriolano MWL et al. Educação permanente com agentes comunitários de saúde: uma proposta de cuidado com crianças asmáticas. Trab. educ. saúde. 2012 June; 10(1):37-59.

Pedrosa IL et al. Uso de metodologias ativas na formação técnica do agente comunitário de saúde. Trab. educ. saúde, 2011; 9(2):319-332.

Nepomuceno LB, Carvalho AB. A residência multiprofissional em saúde da família potencializando a transformação através da formação: uma utopia necessária. Sanare, 2008; 7(2):31-37.

Publicado

2016-11-21

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)