Educação permanente: reflexão na prática da enfermagem hospitalar.

Autores

  • José Reginaldo Pinto
  • Glaucirene Siebra Moura Ferreira
  • Annatalia Meneses de Amorim Gomes
  • Francisco Ivanildo Sales Ferreira
  • Antonia Eliana de Araújo Aragão
  • Francisco Meykel Amâncio Gomes

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i1.1699

Resumo

Na prática hospitalar, a Educação Permanente é indispensável à formação dos trabalhadores, os quais necessitam ter conhecimentos renovados em sua prática profissional. Nesta perspectiva, buscou-se analisar por meio dessa pesquisa a percepção dos enfermeiros de um hospital de ensino acerca da educação permanente no ambiente hospitalar. Trata-se de uma pesquisa descritiva com abordagem qualitativa, realizada com nove enfermeiros coordenadores de setores, utilizando-se três grupos focais, constituído por três enfermeiros em cada grupo. A investigação ocorreu no Hospital do Coração do município de Sobral, Ceará. Utilizaram-se entrevistas que foram gravadas nas reuniões dos grupos. A análise de conteúdo de Bardin estruturou os achados encontrados. Esses resultados foram separados por unidades temáticas. Foram respeitados os princípios éticos de acordo com a resolução 466/12. A primeira unidade temática investigou o conhecimento dos sujeitos acerca da Educação Permanente, Continuada e em Serviço. Os primeiros achados identificaram divergências de opiniões dos participantes quando conceituaram a diferenciação entre as modalidades de educação em saúde. A segunda unidade resgatou a opinião dos sujeitos sobre as estratégias para implantar uma comissão de educação permanente no hospital. As falas dos participantes revelaram que a comissão deveria motivar os profissionais a continuarem se qualificando no serviço. Ainda indagaram que essas comissões deveria ter caráter multidisciplinar. A última unidade analisada referiu-se a forma de atuar das comissões de educação permanente. Os investigados assinalaram que elas deveriam proporcionar a melhoria do ensino aos profissionais aplicando as metodologias ativas.

Biografia do Autor

José Reginaldo Pinto

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1998), título de Mestre em Saúde Coletiva pela Universidade de Fortaleza - UNIFOR (2012). Tem especialização em Saúde Pública (2004), Auditoria em Sistemas e Serviços de Saúde (2010), Informática em Saúde (2010) e Gestão em Economia da Saúde (2013). Tem experiência na área de Enfermagem e Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: Políticas de Saúde, Gestão em Saúde, Auditoria e Regulação do SUS.

Glaucirene Siebra Moura Ferreira

Possui graduação em enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1990). Especialista em Enfermagem em Nefrologia pela Universidade Estadual do Ceará (2006), Especialista em Programa Saúde da Família pela Faculdade de Ciências Sociais Aplicada (2008), Especialista em Ciências da Educação pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada ( 2011).Tem experiência na área de Enfermagem Assistencial e gestão e em Educação nível Superior em Enfermagem.

Annatalia Meneses de Amorim Gomes

Graduação em Serviço Social pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), em 1984; Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Ceará (UFC), em 1990; Mestrado em Educação em Saúde pela Universidade de Fortaleza (Unifor), em 2005; Doutorado em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em 2008.

Francisco Ivanildo Sales Ferreira

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1990). É Especialista em Enfermagem em Nefrologia pela Universidade Estadual do Ceará (2006). Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Enfermagem em Nefrologia, Terapia Intensiva e com Docência em Curso Superior e no ensino Técnico de Enfermagem.

Antonia Eliana de Araújo Aragão

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1984) mestrado (2004) e doutorado (2010) em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é coordenadora da faculdade de enfermagem da Associação Igreja Adventista Missionária( Faculdades INTA).Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Assistência, atuando principalmente nos seguintes temas: acesso aos serviços de saúde, estruturas de acesso, acesso ao serviço de saúde, enfermagem e pessoas portadoras de deficiência.

Francisco Meykel Amâncio Gomes

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (1984) mestrado (2004) e doutorado (2010) em Enfermagem pela Universidade Federal do Ceará. Tem experiência na área de Enfermagem, com ênfase em Assistência, atuando principalmente nos seguintes temas: acesso aos serviços de saúde, estruturas de acesso, acesso ao serviço de saúde, enfermagem e pessoas portadoras de deficiência.

Referências

Candau VM. Sociedade, educação e cultura(s): Questões e propostas. 3ª Ed. Petropólis: Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

Paschoal AS, Mantovani MF, Meier MJ. Percepção da educação permanente, continuada e em serviço para enfermeiros de um hospital de ensino. Rev. esc. enferm. USP, São Paulo, 2007; 41(3), 478-484.

Pope C, Mays N. Pesquisa qualitativa na atenção à saúde. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

Ceará. Contrato organizativo de ação pública de saúde: Região de Saúde de Sobral. Fortaleza-Ce: SESA, 2011. Disponível em: <http://www.saude.ce.gov.br/index.php/decreto-fundes-fundos-municipais>. Acesso em: 28 jun. 2013.

Ressel LB, Beck CLC, Gualda DMR, Hoffmann IC, Silva RM, Sehnem GD. O uso do grupo focal em pesquisa qualitativa. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2008 Out-Dez; 17(4): 779-86.

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. 7ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Trad LAB. Grupos Focais: Conceitos, procedimentos e reflexões baseadas em experiências com uso da técnica em pesquisa de saúde. Physis Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 2009; 19 (3):777-796.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12ª ed. São Paulo: Hucite; 2010.

Ministério da Saúde (Br). Comissão Nacional de Ética em Pesquisa CONEP. Resolução nº 466/2012. [citado em 12 nov 2013] Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Peixoto LS et al. Educação permanente, continuada e em serviço: desvendando seus conceitos. Enfermería global, 2013; 1(29): 324-340.

Batista Karina Barros Calife, Gonçalves Otília Simões Janeiro. Formação dos profissionais de saúde para o SUS: significado e cuidado. Saude soc. 2011 Dez; 20(4): 884-899.

Bezerra ALQ et al. O processo de educação continuada na visão de enfermeiros de um hospital universitário. Rev. Eletr. Enf. [Internet]. 2012; 14(3):618-25.

Ceccim RB. Educação Permanente em Saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface (Botucatu), Botucatu, 2005; 9(16):161-168.

Fernandes RMC. Educação permanente nas situações de trabalho de assistentes sociais. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 2012; 10(3):481-505.

Silva LAA et al. Educação permanente em saúde na ótica de membros das comissões de Integração ensino-serviço. Rev Enferm UFSM, 2013; 3(2):296-306.

Lobato Carolina Pereira, Melchior Regina, Baduy Rossana Staevie. A dimensão política na formação dos profissionais de

saúde. Physis. 2012; 22( 4 ): 1273-1291.

Bertoncini JH, Pires DEP, Ramos FRS. Dimensões do trabalho da enfermagem em múltiplos cenários institucionais. Revista Tempus Actas de Saúde Coletiva, 2011; 5(1):123-133.

Carvalho AAS. Carvalho GS, Rodrigues VMCP. Valores na educação em saúde e a formação profissional. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, 2012; 10(3):527-540.

Gonzalez, Alberto Durán; Almeida, Márcio José de. Ativação de mudanças na formação superior em saúde: dificuldades e estratégias. Rev. bras. educ. med., Rio de Janeiro, 2010; 34(2):238-246.

Downloads

Publicado

2015-08-29