Perfil epidemiológico das tentativas de suicídio em Palmas-Tocantins, de 2010 a 2014.

Autores

  • Daniela Aparecida Araujo Fernandes Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas e Centro Universitário Luterano de Palmas
  • Neci Sena Ferreira Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas
  • José Gerley Diaz Castro Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas e Universidade Federal do Tocantins

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2016

Palavras-chave:

Tentativa de suicídio, Violência, Perfil de saúde, Sistemas de Informação em Saúde, Políticas Públicas de Saúde

Resumo

Objetivo: Descrever o perfil epidemiológico das tentativas de suicídio notificadas, em residentes de Palmas, no período 2010/2014. Métodos: Estudo epidemiológico descritivo/quantitativo, utilizando dados do Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN). Resultados: Foram 656 notificações, 67,1% feminino e 32,9% masculino. As faixas etárias 21-30 anos (38,3%), 10-20 (30,2%) e 31-40 (17,5%) apresentaram as maiores frequências. Quanto à raça/cor 68,60% declararam-se parda, 20,43% branca, 4,42% preta, 4,42% amarela. Escolaridade se concentra no EM completo, 23,47 % e incompleto, 19,5%. Situação conjugal 53,81% de solteiros, 28,3% casados/união estável e 5% de separados. Ocupação profissional, os estudantes (19,66%) e donas de casa (16,46%) apresentaram frequências mais elevados. Identificou-se diferentes tipos de deficiência/transtorno mental em 23,47% e outras deficiências em 5,17%. Envenenamento/intoxicação foi o meio de autoagressão mais utilizado (56,33%). Conclusão: Os registros de tentativas de suicido em Palmas estão acima da média nacional o que sugere a necessidade de estratégias de promoção/prevenção e intervenção para redução da morbimortalidade.

Biografia do Autor

Daniela Aparecida Araujo Fernandes, Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas e Centro Universitário Luterano de Palmas

Daniela Ap. Araujo Fernandes Psicóloga - CRP 890 Mestre em Psicologia Especialista em Saúde Coletiva- Moralidade de Residência Residente Multiprofissional em Saúde- Saúde Mental. Vínculo: Fundação Escola de Saúde Pública de Palmas (FESP) e Centro Universitário Luterano de Palmas (CEULP/ULBRA).

Referências

- Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação de Saúde. Viva: instrutivo de notificação de violência doméstica, sexual e outras violências. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

- Organização Mundial de Saúde (OMS). Relatório Mundial sobre violência e saúde. Editado por Etienne G. Krug, Linda L. Dahlberg, James A. Mercy, Anthony B. Zwi e Rafael Lozano. Genebra: Organização Mundial de Saúde; 2002.

- Werlang BSG, Botega NJ e colaboradores. Comportamento suicida. Porto Alegre: Artmed; 2004.

- Botega NJ, Werlang BSG, Cais CFS, Macedo MMK. Prevenção do comportamento suicida. PSICO. 2006 set/dez; 37(3):213-220.

- World Health Organization (WHO). Health XXI: An introduction to the health for all policy framework for the WHO European region. European health for all series n. 5. World Health Organization Regional Office for Europe Copenhagen; 1998.

- Vieira S. Introdução à Bioestatística. Rio de Janeiro: Campus; 1981.

- Marôco J. Análise estatística com utilização do SPSS. 3 edição. Lisboa: Edições Sílabo; 2010.

- Ferreira NS. Perfil epidemiológico e psicossocial de tentativas de suicídio e de suicídios em Palmas (TO) no período de 2000 a 2009 [tese]. [Brasília]: Universidade de Brasília; 2013.

- Abath MB, Lima MLLT, Lima OS, Silva MCM, Lima MLC. Avaliação da completitude, da consistência e da duplicidade de registros de violências do SINAN em Recife, Pernambuco, 2009-2012*. Epidemiol Serv Saude. 2014 jan/mar; 23(1):131-142.

- Ministério da Saúde (BR). Prevenção do Suicídio: manual dirigido a profissionais das equipes de saúde mental. Campinas: Unicamp; 2006.

- Vidal CEL, Gontijo ED. Tentativas de suicídio e o acolhimento nos serviços de urgência: a percepção de quem tenta. Cad. Saúde Colet., 2013, Rio de Janeiro, 21 (2): 108-14

- Grossi R, Vansan GA. Mortality by suicide in the municipal district of Maringá, PR, Brazil. J. Bras Psiq, 2002; 51 (2): 101-11.

- Pordeus AMJ, Cavalcanti LPG, Vieira LJES, Coriolano LS, Osório MM, Ponte MSR, et al. Tentativas e óbitos por suicídio no município de Independência, Ceará, Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. 2009; 14(5):1731-1740.

- Durkheim E. O suicídio: estudo sociológico. Editorial Presença; 1987.

- Ministério da Saúde (BR). Secretaría de Vigilancia em Salud. Departamento de Análisis de la Situación em Salud. Salud Brasil, 2014: um análisis de la morbimortalidad por causas externas. Brasília: Ministerio de salud; 2015.

- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios, 2009.

- Romão NR, Vieira LJES. Tentativas suicidas por envenenamento. RBPS, 2004; 17 (1):14-24

- Vidal CEL, Gontijo ECDM, Lima LA. Tentativas de suicídio: fatores prognósticos e estimativa do excesso de mortalidade. Cad.Saúde Pública. 2013 jan; 29(1): 175-187.

- Souza ER, Minayo MCS, Cavalcante FG. O impacto do suicídio sobre a morbimortalidade da população de Itabira. Ciência & Saúde Coletiva. 2006; 11 Suppl: 1333-1342.

- Volpe FM, Corrêa H, Barrero SP. Epidemiologia do suicídio. In: Correa H, Perez S, organizadores. Suicídio, uma morte evitável. São Paulo: Editora Atheneu; 2006. p. 11-27.

- Werneck GL, Hasselmann MH, Phebo LB, Vieira DE, Gomes, VLO. Tentativas de suicídio em um hospital geral no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 2006 out; 22(10):2201-2206.

- Bertolote JM, Fleischmann A. Suicide and psychiatric diagnosis: a worldwide perspective. World Psychiatry. 2002. 1(3): 181-185.

- Santos AS, Lovisi G, Legay L, Abelha L. Prevalência de Transtornos mentais nas tentativas de suicídio em um hospital de emergência no Rio de Janeiro, Brasil. Cad. Saúde Pública. 2009 set; 25(9):2064-2074.

- Magalhães APN, Alves VM, Comassetto I, Lima PC, Faro ACM, Nardi, AE. Atendimento a tentativas de suicídio por serviço de atenção pré-hospitalar. J.bras.psiquiatr. 2014 jan-mar; 63 (1): 16-22.

Publicado

2017-07-14