Intimidade e Vinculo nas práticas de cuidado na ESF: Enlaço entre o binômio mãe-filho mediante a estratégia de abordagem grupal desenvolvida na Residência Multiprofissional em Saúde

Autores

  • Neíres Alves Freitas UERJ
  • Robervanda Alves Pinto UVA
  • Glícia Martiniano Mendonça UECE
  • Maria Rocineide Ferreira Silva UECE

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2005

Palavras-chave:

Internato e residência. Prática profissional. Educação em Saúde. Estratégia de Grupo. Prática de grupo. Estrutura de grupo.

Resumo

Objetiva-se levantar o universo vocabular de gestantes a partir da leitura do mundo de um grupo com base nos Círculos de Cultura de Paulo Freire, no cotidiano dos profissionais de uma residência multiprofissional em saúde. Trata-se de uma pesquisa exploratório com abordagem qualitativa, realizada no interior do Ceará. Os resultados mostram a residência multiprofissional como instituidora de espaços coletivos, uma vez que possibilita encontros entre sujeitos que desenvolvem suas ações fundamentadas em uma formação pedagógica e pautadas na utilização de tecnologias educativas como os Círculos de Cultura. Conclui-se que os integrantes da residência têm a possibilidade de pensar outros modos de produzir saúde, incentivando a busca pelas transformações das práticas profissionais para produzir novas ações em saúde.

Biografia do Autor

Neíres Alves Freitas, UERJ

Possui graduação em Educação Física (Bacharelado), pela Universidade Estadual Vale do Acaraú (2013). Com Especialização em Saúde da Família pelo Instituto Superior de Teologia Aplicada (INTA), e Residência Multiprofissional em Saúde da Família pela Escola de Formação em Saúde da Família Visconde de Sabóia (EFSFVS). Mestranda do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social (IMS), da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ). Integra a linha de Política, Planejamento e Administração em Saúde e o Grupo de Pesquisa do CNPq, e integrante do Laboratório de Pesquisas sobre Práticas de Integralidade em Saúde (LAPPIS).

Referências

RouquayroL M. Epidemiologia e Saúde - 7ª Ed. 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Atenção ao pré-natal de baixo risco. 1ª ed. rev. Brasília: Editora do Ministério da Saúde; 2013. (Cadernos de Atenção Básica; 32).

Mendonça GMM, Abreu LDP, Rocha, FAA, Silva, MAM. Abordagem grupal como estratégia de cuidado no pré-natal. SANARE-Revista de Políticas Públicas, 13(2), 2011.

Monteiro, MAA. Abordagem grupal para promoção da saúde de famílias com recém-nascidos hospitalizados. Tese submeta ao programa de pós-graduação em enfermagem da universidade federal do ceará para obtenção do título de doutor. Sobral, 2009.

Lima S, Kelanne A, Dias FL; Colares M, Carlos RP, Christina; CV, Neiva et. al. A influência das crenças e valores culturais no comportamento sexual dos adolescentes do sexo masculino. Rev. enferm. UERJ de 2010; 18(2): 247-52.

Freire P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1987.

Freire P. Extensão ou comunicação. 21º Ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014.

Minayo, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12 ª Ed. – São Paulo: Hucitec, 2010.

Lopes, MCL. Marcon, SS. Assistência à família na atenção básica: facilidades e dificuldades enfrentadas pelos profissionais de saúde. Acta Scientiarum. Health Sciences Maringá, v. 34, n. 1, p. 85-93, Jan.-June, 2012.

Merhy EE. Em busca da qualidade dos serviços de saúde: os serviços de porta aberta para a saúde e o modelo tecnoassistencial em defesa da vida. In: Cecílio L, organizador. Inventando a mudança na saúde. São Paulo: Hucitec; p.117-60; 1994.

Ceccim, R. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, 14(1):41- 65, 2004.

Macedo, CA; Teixeira, ER; Daher, D. Possibilidades e limites do acolhimento na percepção de usuários. Revista de Enfermagem da UERJ. Rio de Janeiro, 2011 jul/set; 19(3):457-62.

Bursztyn, I, Ribeiro, M. Avaliação participativa em programas de saúde: um modelo para o Programa de Saúde do Adolescente. Cad. Saúde Pública [online]. 2005, vol.21, n.2, pp. 404-416. ISSN 0102-311X.

Bastos, A. A técnica de grupos-operativos à luz de Pichon-Rivière e Henri Wallon. Psicólogo inFormação, ano 14, n. 14, jan./dez. 2010.

Alves, V.S. Um modelo de educação em saúde para o Programa Saúde da Família: pela integralidade da atenção e reorientação do modelo assistencial. Interface - Comunic, Saúde, Educ, v.9, n.16, p.39-52, set.2004/fev.2005.

Dall’agnoll C. O trabalho com grupos como instância de aprendizagem em saúde. Revista Gaúcha Enfermagem , Rio Grande do Sul, 2007.

Mota k, Munari DB, Leal ML, Medeiros M, Nunes FC. As trilhas essenciais que fundamentam o progresso e desenvolvimento da dinâmica grupal. Rev Eletr Enf, 2007.

Martins, P. Dom de reconhecimento e saúde: elementos para entender o cuidado como mediação. Usuários, redes sociais, mediações e integralidade em saúde. In: PINHEIRO, R; MARTINS, P. Rio de Janeiro: CEPESC/IMS/UERJ/ABRASCO, 2013.

Publicado

2017-07-14