Apontamentos sobre as especificidades da supervisão acadêmica em área indígena no âmbito do Programa Mais Médicos para o Brasil: o caso do estado do Amazonas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i4.1719

Palavras-chave:

Saúde da Família, Recursos Humanos, População Indígena

Resumo

A proposta do texto consiste em apresentar alguns apontamentos sobre o processo de supervisão acadêmica em área indígena, no âmbito do Programa Mais Médico para o Brasil (PMMB), partindo de uma experiência de pouco mais de dois anos como tutor no contexto do estado do Amazonas, visando fornecer subsídios para discussão. Após uma breve contextualização, apresento algumas das especificidades da supervisão em área indígena que podem ser reunidos em três grupos: a) transcorrer em contexto onde antes havia importante carência de médicos; b) dá-se em área de difícil acesso; c) ocorrer em um cenário político complexo. Dentre as conclusões apresentadas destaca-se a necessidade de se estabelecer interações mais efetivas entre o Ministério da Educação e a Secretaria Especial de Saúde Indígena para enfrentarmos os desafios de supervisionar os médicos em área indígena.

Biografia do Autor

Maximiliano Loiola Ponte de Souza, Instituto Leônidas e Maria Deane, FIOCRUZ

possui graduação em Medicina pela Universidade Federal do Ceará (1998), residência médica em Psiquiatria pelo Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, da Universidade de São Paulo (2000), mestrado em Sociedade e Cultura na Amazônia pela Universidade Federal do Amazonas (2004) e doutorado em Ciências pelo Instituto Fernandes Figueiras, Fundação Oswaldo Cruz (2009). Atualmente é pesquisador do Instituto Leônidas e Maria Deane, da Fiocruz. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Ciencias Sociais em Saude, atuando principalmente nos seguintes temas: saude indigena, antropologia da saúde e saúde mental.

Referências

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Os indígenas no censo demográfico 2010: primeiras considerações com base no quesito cor ou raça. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística; 2012.

Coimbra Jr CEA, Santos RV. Saúde, minorias e desigualdade: algumas teias de inter-relações, com ênfase nos povos indígenas no Brasil. Ciênc Saúde Coletiva 2000; 5(1):125-132.

Garnelo Luiza, Buchillet D. Taxonomias das doenças entre os índios Baniwa (arawak) e desana (tukano oriental) do alto rio negro (Brasil). Horiz. Antropol 2006, 12(26):231-260.

Basta PC, Orellana JDY, Arantes R. Perfil epidemiológico dos povos indígenas no Brasil: notas sobre agravos selecionados. In: Garnelo L, Pontes AL. Saúde Indígena: uma introdução ao tema. Brasilia: Ministério da Educação/Unesco; 2012. p. 60-106.

Garnelo L. Políticas de Saúde Indígena no Brasil: notas sobre as tendências atuais do processo de implantação do subsistema de atenção á saúde. Brasilia: Ministério da Educação/Unesco; 2012. p. 18-58.

Downloads

Publicado

2015-12-31