AVALIAÇÃO DA PERCEPÇÃO E AUTOCUIDADO EM SAÚDE BUCAL NA ATENÇÃO BÁSICA NA PERSPECTIVA DO ENVELHECIMENTO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v13i3.2396

Palavras-chave:

Saúde Bucal, Envelhecimento, Autopercepção, Autoavaliação.

Resumo

Os adultos foram ao longo dos anos mitigados pela odontologia curativo-mutiladora, sem receberem, via de regra, tratamentos preventivos. Escassos são os estudos em saúde bucal com intuito de conhecer o que os adultos pensam e quais os cuidados praticam na vida cotidiana. Neste sentido, esta pesquisa objetivou avaliar a percepção e o autocuidado em saúde bucal de adultos na perspectiva do envelhecimento. Com a abordagem quantiqualitativa, utilizou-se um questionário para entrevista semiestruturada, apresentando os resultados através de estatística descritiva e exposição dos melhores discursos. Foram entrevistados 50 adultos, entre 25 a 59 anos, usuários de uma Unidade de Básica de Saúde (UBS) em Nova Russas-CE, Brasil. Predominou no grupo de entrevistados aqueles do sexo feminino (78%), pardos (80%), com ensino fundamental incompleto (42%), beneficiários do programa Bolsa Família (62%), ocupação do lar (42%) e idade média de 40,66 anos. A maioria dos usuários não acredita que terá dentes naturais quando idosos (70%) e já percebem sinais de envelhecimento (74%). Poucos conhecem o que é cálculo dentário (8%), e já perderam vários elementos dentários (6,67 dentes/pessoa). Os usuários apresentaram valores arraigados como escovar os dentes ao acordar (88%) ao invés de depois do café, e alguns procuram atendimento odontológico quando aparecem queixas: 28% ao sentir dor de dente e 34% quando consideram precisar. Em suma, os usuários mostraram uma relação de codependência ao sistema de saúde pública vigente, havendo a necessidade desse ser efetivamente integral e universal, ao passo que os usuários busquem corresponsabilizar-se pela sua saúde oral, cuidando-se autonomamente.

Biografia do Autor

Ermano Batista Costa, Universidade Estadual do Ceará

Cirurgião-dentista da atenção básica em Nova Russas-Ce

Tainá Macedo do Vale, Universidade de Brasília

Mestrado em Ciências da Saúde pela Unb

Silvana DBA Costa, Universidade Federal do Ceará

Orientadora de Trabalhos de Conclusão de Curso.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde bucal: caderno de atenção básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2006.

Bortoli D, Locatelli FA, Fadel CB, Baldani MH. Associação entre percepção de saúde bucal e indicadores clínicos e subjetivos: estudo em adultos de um grupo de educação continuada da terceira idade. Publ. Uepg Biol. Health Sci. 2003; 9 (3/4): 55-65.

Ferreira RI, Morano M Jr, Meneghim MC, Pereira AC. Dental health education for adult patients: report of an experience. Rev Odontol UNESP. 2004; 33(3): 149-56.

Piuvezam G, Ferreira AAA, Soares SCM, Souza DLB, Alves MSCF. As perdas dentárias sob a ótica do idoso. Odontologia Clín. Científ. 2006; 5(4): 299-306.

Silva-Junior MF, Fonseca EP, Batista MJ, Sousa MLR. Distribuição espacial das perdas dentárias em uma população de adultos. Rev Gaúch Odontol. 2017; 65(2): 115-120.

Bulgarelli AF, Manço ARX. Idosos vivendo na comunidade e a satisfação com a própria saúde bucal. Ciênc. Saúde Coletiva. 2008; 13(4): 1165-1174.

Cormack E. A saúde oral do idoso. 2002. Disponível em: www.odontologia.com.br/artigos/geriatria.html. Acesso em: [15/01/2015].

Martins ES. A saúde bucal do adulto: uma proposição de plano de ação na atenção à saúde bucal do adulto no município de Augusto de Lima/MG. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Belo Horizonte: Faculdade de Medicina da UFMG; 2010.

Haikal DS, Paula AMB, Martins AMEBL, Moreira AN, Ferreira EF. Autopercepção da saúde bucal e impacto na qualidade de vida do idoso: uma abordagem quanti-qualitativa. Ciênc. Saúde Coletiva. 2011; 16: 3317-29.

Coelho MP, Cordeiro MCP, Corrêa FF, Carvalho CM, Araújo VE. Avaliação do impacto das condições bucais na qualidade de vida medido pelo instrumento OHIP-14. UFES Rev Odontol. 2008; 10(3): 4-9.

Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde. Atenção à saúde bucal. Belo Horizonte: SAS/MG; 2006.

Palmier AC, Ferreira EF, Mattos F, Vasconcelos M. Módulo saúde bucal no contexto da atenção básica á saúde – saúde do adulto; Belo Horizonte: Nescon UFMG e Coopmed; 2008.

Nadanovsky P. O aumento da produção científica odontológica brasileira na saúde pública. Cad. Saúde Pública. 2006; 22(5): 1-2.

Kirschbaum C. Decisões entre pesquisas quali e quanti sob a perspectiva de mecanismos causais. RBCS. 2013; 28 (82): 181-91.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. e-SUS Atenção Básica: Manual do sistema com Coleta de Dados Simplificada. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Tobar F, Yalour MR. Como fazer teses em saúde pública: conselhos e ideias para formular projetos e redigir teses e informes de pesquisa. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ; 2003.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad. Saúde Publica. 2008; 24(1): 17-27.

Slade GD. Derivation and validation of a short-form oral health impact profile. Community Dent Oral Epidemiol. 1997; 25: 284-90.

World Health Organization. Oral health surveys: basic methods. 5th ed: WHO; 2013. Disponível em: www.who.int/about/licensing/copyright_form/en/index.html. Acesso em: [06/06/2017].

Campos ACV, Vargas AMD, Ferreira EF. Satisfação com saúde bucal de idosos brasileiros: um estudo de gênero com modelo hierárquico. Cad. Saúde Pública. 2014; 30(4): 757-72.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUCS; 2003.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. O sujeito coletivo que fala. Interface Comum. Saúde Educ. 2006; 10(20): 1-8.

Lefèvre F, Lefèvre AMC. Depoimentos e discursos: uma proposta de análise em pesquisa social. Brasília: Editora Liber; 2005.

Andrade KLC, Ferreira EF. Avaliação da inserção da odontologia no Programa Saúde da Família de Pompéu (MG): a satisfação do usuário. Ciênc. Saúde Coletiva. 2006; 11(1): 123-130.

Pinto RS, Matos DL, Loyola Filho AI. Características associadas ao uso de serviços odontológicos públicos pela população adulta brasileira. Ciênc. Saúde Coletiva. 2012; 17(2): 532-44.

Costa EBC. Satisfação dos usuários assistidos em Centros de Especialidades Odontológicas Regionais do Ceará, Brasil. [Dissertação]. Campinas (SP): Faculdade São Leopoldo Mandic; 2016.

Fonseca LLV, Nehmy RMQ, Mota JAC. O valor social dos dentes e o acesso aos serviços odontológicos. Ciênc. Saúde Coletiva. 2015; 20(10): 3129-38.

Cascaes AM. Doença periodontal e a autoavaliação da saúde bucal em adultos brasileiros. [Dissertação]. Florianópolis (SC): Universidade Federal de Santa Catarina; 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. SB Brasil 2010: Pesquisa Nacional de Saúde Bucal: resultados principais. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Unfer B, Saliba O. Avaliação do conhecimento popular e práticas cotidianas em saúde bucal. Rev. Saúde Pública. 2000; 34: 190-5.

Costa EB, Carneiro VSM, Pedrosa HLO, Godoy GP, Amorim JA. Dor de dente: percepção dos usuários da atenção básica de saúde. Odontologia Clín. Científ. 2009; 8(1): 53-58.

Celich KLS, Spadari G. Estilo de vida e saúde: condicionantes de um envelhecimento saudável. Cogitare Enferm. 2008; 13(2): 252-60.

Downloads

Publicado

2020-07-03

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS