Terapia Ocupacional em Saúde da Mulher: Impacto dos sintomas do climatério na atividade profissional

Autores

  • Emanuelle Comparim Cardoso Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná
  • Maria José Gugelmin de Camargo

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.2273

Palavras-chave:

Climatério, Saúde da Mulher, Terapia Ocupacional

Resumo

O climatério é um processo natural na vida das mulheres, no qual muitas passam sem queixas, outras apresentam sintomas que variam em sua intensidade e diversidade. Sabe-se, também que os distúrbios do comportamento presentes neste processo são influenciados pelas características sociais e pessoais de cada mulher1-2. Além das alterações biopsicossociais presentes no climatério há ainda as exigências relacionadas a atividade de trabalho, a qual é foco deste estudo, cujo objetivo é compreender quais os impactos do período do climatério no desempenho da atividade profissional. Esta pesquisa caracteriza-se como um estudo qualitativo do tipo descritivo. O estudo qualitativo permite que as participantes da pesquisa falem por si, levando o pesquisador a compreender o significado do fenômeno estudado3, ou seja, a relação entre o climatério, seus sinais e sintomas, e o desempenho na atividade profissional, na perspectiva de funcionárias da maternidade de um hospital universitário. Participaram da pesquisa nove funcionárias de diferentes setores da maternidade, com idade entre 45 a 59 anos. Utilizou-se como instrumento de coleta de dados um roteiro de entrevista semiestruturado elaborado pela própria pesquisadora. Para análise de informações foi utilizada a técnica de análise de conteúdo de Bardin (2009)4, da qual obteve-se duas categorias principais denominadas: "Compreensão do climatério" e "Impactos na atividade de trabalho". Pode-se compreender através dos relatos que há impacto decorrente dos sintomas do climatério na atividade de trabalho, e que modificações nesta atividade beneficiariam as participantes.

Biografia do Autor

Emanuelle Comparim Cardoso, Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná

Terapeuta Ocupacional residente do Programa Multiprofissional Integrada em Atenção Hospitalar do Complexo Hospital de Clínicas / UFPR

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Manual de Atenção à Mulher no Climatério/Menopausa /Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2008.

Zampieri MFM, Tavares CMA, Hames MLC, Falcon GS, Silva AL, Gonçalves LT. O processo de viver e ser saudável de mulheres no climatério. Revista de Enfermagem. 2009; 13: 305-312.

Moreira H. As perspectivas da pesquisa qualitativa para as políticas públicas. 2002; 10: 235-246.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal. 2009.

Instituto brasileiro de geografia e estatística - IBGE. Censo demográfico 2010: primeiros resultados da amostra. Disponível em:<http://www.ibge.gov.br> Acesso em: 23 de jun. de 2015.

Federação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia Climatério - FEBRASGO. Manual de orientação. São Paulo (SP). 2004.

Cardoso MR, Camargo MJG. Percepções sobre as mudanças nas atividades cotidianas e nos papéis ocupacionais de mulheres no climatério. Caderno de Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos. 2015; 23: 553-569.

Aota. Occupational therapy practice framework: domain and process (3rd ed.) American JournalofOccupationalTherapy, 68 (suppl1.). Traduzido para o português por Cavalcanti A (UFTM), Dutra FCM (UFTM) e CarliElui VM (UFTM-USP); autorizada para publicação em português, acesso aberto na Revista de Terapia Ocupacional Universidade de São Paulo.2015; 26: 6-22.

Rosa DS, Brançam GS. A intervenção grupal como recurso da Terapia Ocupacional: Uma experiência com mulheres climatéricas. Caderno de Terapia Ocupacional UFSCar, São Carlos. 2013; 21: 423-428.

Lorenzi DRS, Catan LB, Moreira K, Ártico GR. Assistência à mulher climatérica: Novos paradigmas. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009;62:287-293.

Câmara RH. Analise de conteúdo: da teoria a prática em pesquisas sociais aplicadas às organizações. Gerais: Revista Interinstitucional de Psicologia. 2013;6:179-191.

Fernandes LA, Gomes JMM. Relatórios de pesquisas nas ciências sociais: características e modalidades de investigação. ConTexto, Porto Alegre. 2003;3:1-23.

Valença CN, Azevêdo LMN, Malveira FAS, Germano RM. Conhecendo a si mesma: olhares femininos sobre menopausa e climatério. Revista deEnfermagem – UFPE. 2010;4:792-801.

Vigeta SMG, Brêtas ACP. A experiência da perimenopausa e pós-menopausa com mulheres que fazem uso ou não da reposição hormonal. Cad Saúde Púb[periódico na internet]. 2004; 20:1682-89.

Barra AA, Albergaria DA, Mariano FM, Dantas JB, Pinto KMC, Resende NM. Terapias alternativas no climatério. Femina. 2014;42:27-31.

Botero JP. Efeitos de um programa de treinamento de força sobre variáveis da composição corporal, concentrações plasmáticas de leptina e resistina e qualidade de vida em mulheres pós menopáusicas. [dissertação]. Universidade Federal de São Carlos. 2010.

Senço NM, Venezian JA, Abduch M, Cordeiro Q, Gouvêa ES. A saúde mental dos profissionais de saúde. Rev. Trabalho e Saúde Mental dos Profissioanis da Saúde. 2016; 143-155

Publicado

2017-11-13