Residência Multiprofissional no âmbito de uma Secretaria Estadual de Saúde: reflexões sobre o papel da preceptora.

Autores

  • Kally Cristina Soares Silva Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (DAB/SESAB).
  • Diego Rangel dos Anjos Prata Apoiador Institucional da Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (DAB/SESAB).
  • Paulo Roberto Lima Falcão do Vale Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). http://orcid.org/0000-0002-1158-5628

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2270

Palavras-chave:

Educação Continuada, Preceptoria, Autonomia Profissional, Capacitação de Recursos Humanos em Saúde, Atenção Primária à Saúde.

Resumo

O estudo objetiva descrever as atividades de preceptoria na Diretoria de Atenção Básica, de uma Secretaria de Saúde Estadual, eleita como campo empírico de um Programa de Residência Multiprofissional em Saúde. Caracteriza-se como relato de experiência, com abordagem qualitativa e exploratória. Participaram da experiência cinco residentes e uma preceptora, com duração de três meses e vinte e dois dias, datados no período de 08/09/2015 a 30/12/2015. Entre as atividades assumidas pela preceptora destaca-se: realizar acolhimento pedagógico; organizar sessões de educação permanente; construir ambiente favorável para atuação dos residentes nas equipes de Apoiadores Institucionais; promover articulação intersetorial com outros espaços de gestão; inserir os residentes em mesas de negociação/pactuação entre gestores municipais e estadual; pactuar com os residentes quais as atividades a serem desenvolvidas no acolhimento dos médicos do Programa Mais Médicos; coordenar a logística e o desenho didático-pedagógico da experiência realizada em um Núcleo Regional de Saúde do interior do Estado. Concomitante as atividades descritas, a preceptora desenvolveu a avaliação apreciativa e formativa dos residentes, ao fim do período de experiência procedeu à avaliação somativa de todos os atores, explorando o método da roda de conversa. Face os resultados apresentados orienta-se que os preceptores possuam atributos como: perceber oportunidades de aprendizado aos residentes; mediar conflitos; facilitar a aprendizagem significativa; utilizar metodologias ativas; desenvolver habilidade comunicativa horizontal e democrática; apreender conhecimentos teóricos na área do saber de campo e de núcleo do Programa de Residência em questão; e dispor de experiência prática no campo de atuação profissional.

Biografia do Autor

Kally Cristina Soares Silva, Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (DAB/SESAB).

Graduada em Odontologia pela Universidade Vale do Rio Doce - UNIVALE , Mestra em Saúde Coletiva, linha de pesquisa (Política, Planejamento, Gestão de Sistemas, Serviços e Programas de Saúde) pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS); Especialização em Saúde da Família com ênfase na Gestão do Processo de Trabalho em saúde da Família (UFBA) ; Especialização em Saúde Pública (Universidade Estácio de Sá/ RJ); Especialização em Endodontia pela UEFS.

Diego Rangel dos Anjos Prata, Apoiador Institucional da Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia (DAB/SESAB).

Apoiador Institucional da Diretoria de Atenção Básica da Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Farmacêutico pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), especialista em Saúde da Família pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da UNEB.

Paulo Roberto Lima Falcão do Vale, Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS).

Mestrando em Saúde Coletiva pela Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS). Enfermeiro (UEFS), especialista em Saúde da Família pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Programas e projetos – SGTES [Internet]. Brasília (BR): Ministério da Saúde, Secretaria de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde; 2014 [citado 2016 fev. 24]. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/programas-e-projetos-sgtes.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Lei nº 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui a Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 01 set. 2005. Seção 1, p. 01. Disponível em: https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11129.htm.

Freire P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e terra, 54. ed. rev. atual. 2014.

Domingos CM, Nunes EFPA, Carvalho BG. Potential of multiprofessional residency on family healthcare: the view of healthcare workers. Interface (Botucatu). [Internet]. 2015 [Acesso em: 205 nov. 12]; 19(55): 1221-32. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1807-57622014.0653.

Cavalcanti IL, Sant’Ana JMB. A preceptoria em um programa de residência multiprofissional em oncologia: carências e dificuldades. Gestão & Saúde. [Internet]. 2014 [Acesso em: 2016 nov. 15]; 5(3): 1045-54. Disponível em: http://dx.doi.org/10.18673/gestãoesaúde.v5i3.22697.

Ribeiro KRB, Prado ML. A prática educativa dos preceptores nas residências em saúde: um estudo de reflexão. Rev. Gaúcha Enferm. [Internet]. 2013 [Acesso em: 2016 nov. 20]; 34(4): 161-5. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2014.01.43731.

Dallegrave D, Ceccim RB. Healthcare residency: what has been produced in theses and dissertations?. Interface (Botucatu). [Internet]. 2013 [Acesso em: 2016 out. 10]; 17(47): 759-76. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832013005000030.

Silva GTR. Residência Multiprofissional em Saúde: vivências e cenários da formação. São Paulo: Martinari. 2013.

Justino ALA, Oliver LL, Melo TP. Implantação do programa de residência em medicina de família e comunidade da Secretaria Municipal de Saúde do Rio de Janeiro, Brasil. Ciênc. saúde coletiva. [Internet]. 2016 [Acesso em: 2017 jan. 15]; 21(5): 1471-80. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015215.04342016.

Cheade MFM, Frota OP, Loureiro MDR, Quintanilha ACF. Residência multiprofissional em saúde: a busca pela integralidade. Cogitare Enferm. [Internet]. 2013 [Acesso em: 2015 dez. 03]; 18(3): 592-5. Disponível em: http://www.revenf.bvs.br/pdf/ce/v18n3/26.pdf.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Diretoria de Atenção Básica. Breve histórico 2007-2014, principais realizações e os novos desafios para a Atenção Básica. Salvador: Secretaria de Saúde do Estado da Bahia; 2014 [Acesso em: 2016 jun. 22].

Cunha MAE, Nascimento MAM. Percepção dos trabalhadores sobre a construção de uma gestão participativa na Diretoria da Atenção Básica da Secretaria da Saúde da Bahia. (Trabalho de Conclusão de Curso). Bahia: EESP/UFBA, Escola de Enfermagem, 2009.

Barros RS, Sousa LMO, Dias PB, Díaz PHP, Soster JC, Heinzelmann RS, et al. Gestão participativa e controle social. In: Goes PSA, Moysés SJ. editores. Planejamento, gestão e avaliação em saúde bucal. São Paulo: Artes Médicas, 2012.

Falleiro LM. editora. Experiências de Apoio Institucional no SUS: da teoria à prática. Porto Alegre: Rede UNIDA, 2014.

Campos GWS. O anti-Taylor: sobre a invenção de um método para co-governar instituições de saúde produzindo liberdade e compromisso. Cad. Saúde Pública. [Internet]. 1998 [Acesso em: 2016 jan. 03]; 14(4): 863-70. Disponível em: http://www.ufrgs.br/napead/repositorio/objetos/edital19/gestao-politicas/ARQUIVOS%20PDF/Anti-_Taylor_Gastao.pdf.

Oliveira GN. Devir apoiador: uma cartografia da função apoio. 2011. 168 f. Tese de Doutorado (Pós-Graduação em Saúde Coletiva) - Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011.

Duarte CC. Como apoiar o Apoiador Institucional na perspectiva do próprio trabalhador-apoiador? 2014. 63 f. Dissertação de Mestrado (Pós-Graduação em Saúde Coletiva) - Departamento de Saúde da Universidade Federal de Feira de Santana. Feira de Santana. 2014.

Bahia. Secretaria de Saúde do Estado da Bahia. Resolução da Comissão Intergestora Bipartite, n° 181 de 24 de agosto de 2011. Aprova o Redesenho do Plano Diretor de Regionalização do Estado da Bahia. Salvador: Secretaria de Saúde do Estado da Bahia; 2011 [Acesso em: 2016 maio 14].

Downloads

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA