Participação de residentes em saúde da família na gestão e controle social: Um relato de experiência sobre as pré-conferências Municipais de Saúde em Florianópolis.

Autores

  • Lilian Suelen de Oliveira Cunha Profissional de Educação Física, Residente no Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família, na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Endereço postal: Rua Maria Luiza Agostinho, 196, Itacorubi, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil, 88034-160. Email: lilian_oliveiracunha@hotmail.com
  • Thais da Silva Ramos Farmacêutica, Residente no Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família, na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
  • Eduarda Berckenbrock Bolsoni Enfermeira, Residente no Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família, na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
  • Francini Medeiros Enfermeira, Residente no Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família, na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.
  • Alessandra Graciosa Assistente Social, Residente no Programa Residência Multiprofissional em Saúde da Família, na Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, Santa Catarina, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2066

Palavras-chave:

Conferências de Saúde, Saúde da Família, Políticas Púbicas.

Resumo

Em Florianópolis, em 2015, foi organizada uma comissão de mobilização que se dispuseram para elaborar propostas e engendrar as diretrizes com vistas a incentivar e apoiar a mobilização popular dos diversos movimentos, entidades e associações para realização da 9ª Conferência Municipal de Saúde com o tema: Saúde pública e de qualidade para cuidar bem das pessoas. Um direito do povo brasileiro. Este relato apresenta a experiência vivenciada por residentes multiprofissionais em saúde da família enquanto membros da comissão de mobilização, organizadora, temática e relatoria da 9ª Conferência Municipal de Saúde de Florianópolis, na construção e realização das pré-conferências de saúde. Para compor a comissão organizadora residentes foram convidados a integrar de acordo com área de interesse e vagas disponibilizadas. Além disso, participaram de oficinas de preparação da metodologia para cada pré-conferência. No processo de construção das pré-conferências verificou-se que a mobilização social ocorreu após iniciativa de atores que fazem parte do conselho municipal de saúde e que entendem como primordial a ampla participação da população nas discussões das Políticas Públicas. Ressalta-se que essa participação contribui na formação de recursos humanos, pois apresenta mais uma alternativa de integração entre a formação em saúde, gestão setorial e controle social no SUS. Entende-se que o incentivo à interação entre ensino, gestão, atenção e controle social no processo de formação dos residentes em saúde da família tendo logo no primeiro ano de residência contato com o tema na forma de prática de campo contribuem para o comprometimento nos espaços de controle social.

Referências

Côrtes SMV. Conselhos e conferências de saúde: papel institucional e mudança nas relações entre estado e sociedade. In: Fleury S, Lobato LVC. Participação, democracia e saúde. Rio de Janeiro: CEBES; 2009: 102-28

Brasil. Presidência da República. Lei n° 8.080, de 19 de setembro de 1990. Brasília; 1990.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS. Coleção para entender a gestão do SUS. O processo de implantação do SUS. In: Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Sistema Único de Saúde. Brasília: CONASS; 2011: 52-118.

Lins IL. Conferências e Conselhos: É possível pensar em interação sistêmica? O Caso da Assistência Social no Brasil. Revista Eletrônica de Ciência Política. 2016; 7(1).

Faria CF, Silva VP, Lins IL. Conferências de políticas públicas: um sistema integrado de participação e deliberação? Revista Brasileira de Ciência Política. 2012; (7).

CNS. RESOLUÇÃO nº 501, de 7 de maio de 2015. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/web_15cns/docs/05mai13_Reso501_em_homologacao.pdf Acesso em: Jan/2017.

Anunciação AS et al. Pré-conferências de saúde: uma proposta de democratização da saúde no município de Camaçari. Revista Baiana de Saúde Pública. 2008; 32 (1):131-137.

PMF. Relatório Final da 9ª Conferência Municipal de Saúde de Florianópolis. Disponível em:http://www.pmf.sc.gov.br/arquivos/arquivos/pdf/08_09_2015_17.37.23.1ee3d323793c465e18ee3c7a2f806722.pdf. Acesso em: Jan/2017

Pekelman R. Caminhos para uma ação educativa emancipadora: A Prática educativa no cotidiano dos serviços de atenção primária em saúde. Revista APS. 2008. 11 (3): 295-302.

Farjado AP, Rocha CMFR, Pasini VL. Residência em Saúde: Fazeres & saberes na formação em saúde. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição, 2010.

REMULTISF. Guia Acadêmico da Residência Multiprofissional em Saúde da Família. Universidade Federal de Santa Catarina. 2016.

Albrecht GJ. Controle Social e sua integração com os cursos de residência em saúde. Trabalho de Conclusão de Curso em Especialização em Práticas Pedagógicas para Educação em Serviços de Saúde. Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2013.

Jesus MCP, Figueiredo MAG, Santos SMR, Amaral AMM, Rocha LO, Thiollent MJM. Permanent education in nursing in a university hospital. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45 (5): 1229-36.

Downloads

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA