Práticas coletivas da Psicologia na Atenção Primária à Saúde

Autores

  • Catheline Rubim Brandolt Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)
  • Pâmela Kurtz Cezar Secretaria de Município da Saúde de de Santa Maria/RS

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2051

Palavras-chave:

Psicologia, Atuação do psicólogo, Atenção Primária à Saúde, Saúde da Família.

Resumo

Este artigo é um relato de experiência e objetiva descrever as práticas coletivas da Psicologia na Atenção Primária à Saúde, por meio de vivências de uma psicóloga, vinculada a um Programa de Residência Multiprofissional Integrada, numa equipe de Saúde da Família. Destaca-se que as possibilidades de intervenção da psicologia no campo da Saúde Pública, em especial na Atenção Primária à Saúde, se ampliaram nos últimos anos. Para além das ações clínicas de cunho individual, a psicologia se inseriu no contexto do trabalho em equipe, por meio de práticas coletivas/interdisciplinares, que englobam atividades de grupos, visitas domiciliares, interconsultas, acolhimento multiprofissional, entre outras ações e articulações intersetoriais. Conclui-se, portanto, que o espaço de formação proporcionado pelo Programa de Residência Multiprossional Integrada possibilita que o psicólogo possa ampliar e qualificar suas possibilidades de atuação no campo da saúde, em conformidade com os princípios do Sistema Único de Saúde.

Biografia do Autor

Catheline Rubim Brandolt, Universidade Federal de Santa Maria (UFSM)

Psicóloga, residente do Programa de Residência Multiprofissional Integrado em Sistema Público de Saúde

Pâmela Kurtz Cezar, Secretaria de Município da Saúde de de Santa Maria/RS

Psicóloga, Secretaria de Município da Saúde de de Santa Maria/RS Especialista em Sistema Público de Saúde - UFSM Mestre em Psicologia, ênfase em Psicologia da Saúde

Referências

Ministério da Saúde(BR). Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

Polejack L, Totugui ML, Gomes PMH, Conceição MIG. Atuação do psicólogo nas políticas públicas de saúde: caminhos, desafios e possibilidades. In.: Polejack L [et al] (Orgs.) Psicologia e políticas públicas na Saúde: experiências, reflexões, interfaces e desafios. 1ªed. Porto Alegre: Rede Unida; 2015, p.29-48.

Merhy EE, Onocko R. Agir em Saúde: um desafio para o público. Ed Hucitec; 1997.

Merhy EE, Franco TB B. Por uma composição técnica do trabalho centrada nas tecnologias leves e no campo relacional. Rev Saúde em debate. 2003 Set/Dez; 27(65):1- 13.

Ministério da Saúde (BR). Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. 160 p (Série B. Textos Básicos de Saúde) (Cadernos de Atenção Básica ; n. 27)

Dallegrave D, Kruse MHL. A invenção da residência multiprofissional em saúde.In: Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde; organização de Ananyr Porto Fajardo, Cristianne Maria Famer Rocha, Vera Lúcia Pasini. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010, p.35-59..

Ferreira SR, Olschowsky A. Residência: Uma modalidade de ensino.In.:Brasil. Ministério da Saúde. Grupo Hospitalar Conceição Residências em saúde: fazeres & saberes na formação em saúde; organização de Ananyr Porto Fajardo, Cristianne Maria Famer Rocha, Vera Lúcia Pasini. Porto Alegre: Hospital Nossa Senhora da Conceição; 2010, p.23-34.

Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde (BR). Resolução nº 2 de 13 de abril de 2012. Dispõe sobre Diretrizes Gerais para os Programas de Residência Multiprofissional e em Profissional de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 16 abr. 2012. Seção I, p.24-25

Cezar PK, Rodrigues PM, Arpini DM. A Psicologia na Estratégia de Saúde da Família: Vivências da Residência Multiprofissional. Rev. Ciência e Profissão. 2015;1(35,): 211-224.

Cruz MM, Bourget MMM. A visita domiciliária na Estratégia Saúde da Família: conhecendo as percepções das famílias. Rev Saúde Soc. São Paulo. 2010;19 (3): 605-6013.

Abrahão AL. Atenção e cuidado em saúde no ambiente familiar: aspectos da visita domiciliar. Rev APS, 2011 Out./Dez; 14 (4): 472-480

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Referências técnicas para Prática de Psicólogas(os) no Centro de Referência Especializado da Assistência Social - CREAS. Brasília, 2012.

Conselho Federal de Psicologia (CFP). Práticas profissionais de psicólogos e psicólogas a atenção básica à saúde, 1ª Ed. 2010.

Ministério da Saúde (BR). HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012.

Mendes EV. A construção social da atenção primária à saúde. Brasília: Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS); 2015.

Ministério da Saúde (BR). CN-DST/Aids. Aconselhamento em DST/Aids: diretrizes e procedimentos básicos.Brasília: Ministério da Saúde; 1999.

Ministério da Saúde (BR). Caderno do gestor do PSE. Brasília : Ministério da Saúde; 2015.

Cruz MLS, Franco L,Carvalho JW, Silva FB da, Betele VC, Lima MF de, et al. Reunião de equipe: uma reflexão sobre sua importância enquanto estratégia diferencial na gestão coletiva no Programa de Saúde da Família (PSF). Psic. Rev. São Paulo. 2008; 17 (1e.2):161-183.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). SUS 20 anos. Brasília; 2009.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS). Planificação da Atenção Primária à Saúde nos Estados. Brasília; 2011.

Downloads

Publicado

2018-12-04

Edição

Seção

RELATO DE EXPERIÊNCIA