A SAÚDE DO CAMPO NA FORMAÇÃO PROFISSIONAL DE RESIDENTES: ENCONTROS E DESENCONTROS

Autores

  • Camille Correia Santos Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio
  • Kátia Rejane de Medeiros Centro de Pesquisas Aggeu Magalhaes/FIOCRUZ, CPQAM/FIOCRUZ
  • Idê Gomes Dantas Gurgel Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - CPqAM / FIOCRUZ/RECIFE-PERNAMBUCO/BRASIL

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2032

Palavras-chave:

Saúde do campo, Residência em Saúde, Educação em saúde, SUS

Resumo

A Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas (PNSIPCFA) tem como um de seus eixos repensar a formação dos profissionais de saúde por meio da educação permanente e popular em saúde e umas dessas estratégias de formação são os Programas de Residência em Área Profissional da Saúde voltado para educação em serviço. Assim, o objetivo é analisar o conteúdo de saúde no campo desenvolvido nos programas de residência no campo da saúde coletiva em Pernambuco. É um estudo qualitativo com desenho exploratório descritivo realizado a partir de análise documental. Analisou-se propostas dos projetos pedagógicos das residências referente ao conteúdo de saúde do campo. Evidenciou-se que só um programa apresenta conteúdo específico e articulação com a saúde do campo e a maioria dos programas apresentam projeto pedagógico baseado no modelo hegemônico médico-assistencial privatista e assistencial sanitarista concentrados na zona urbana. A partir da vivência dos residentes e da experiência do VerSUS no campo foi marcado a necessidade de ampliar a formação em saúde, mobilizando propostas que consolide o SUS junto a realidade no campo. Assim, essas experiências necessitam serem visibilizadas, viabilizadas e ampliadas, tornando-se em estratégias permanentes de formação para os profissionais de saúde.

Biografia do Autor

Camille Correia Santos, Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio

Nutricionista, Sanitarista, pelo Programa de Residência Multiprofissional em Saúde Coletiva/ Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - CPqAM Mestranda no Programa de Mestrado profissional em Educação e Saúde da Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio/Fundação Oswaldo Cruz/Rio de Janeiro

Kátia Rejane de Medeiros, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhaes/FIOCRUZ, CPQAM/FIOCRUZ

Assistente Social, Drª em Saúde Pública/ Centro de Pesquisas Aggeu Magalhaes/FIOCRUZ, CPQAM/FIOCRUZ Docente e pesquisadora do Departamento de Saúde Coletiva/ Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - CPqAM

Idê Gomes Dantas Gurgel, Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - CPqAM / FIOCRUZ/RECIFE-PERNAMBUCO/BRASIL

Médica, Drª em Saúde Pública/ Centro de Pesquisas Aggeu Magalhaes/FIOCRUZ, CPQAM/FIOCRUZ Docente e pesquisadora do Departamento de Saúde Coletiva/ Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães - CPqAM

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo, da Floresta e das Águas. 1. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2013.

Carneiro FF. et al. Teias de um Observatório para a saúde das populações do campo, da floresta e das águas no Brasil. Tempus, Actas de Saúde Colet. 2014:8(2): 275-293.

Santos JCB, Hennington EA. Aqui ninguém domina ninguém: sentidos do trabalho e produção de saúde para trabalhadores de assentamento do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Rev. Cad. Saúde Pública. 2013:29(8):1595-1604.

Carneiro FF, Búrigo AC, Dias AP In: Caldart RS et al (org). Dicionário da educação do campo.2ª.ed. Rio de Janeiro: EPSJV/Expressão Popular, 2012. 691-697.

Wanderley MB. Meio rural: um lugar de vida e de trabalho: Desafios do mundo rural brasileiro. In: Fórum DRS, do IICA, 2014. [Acesso em: 01 de maio de 2016]. Disponível em: <http://www.iicaforumdrs.org.br/index.php? saction=conteudo&id=a12ac3b16ba6f272193312abda9386e8&idMod=64>.

Soares RAS. Caracterização da População do Campo, Floresta e Águas: Quem São, Como Vivem e de Quê Adoecem. Relatório. Universidade De Brasília. Centro De Estudos Avançados Multidisciplinares. Departamento De Saúde Coletiva. Núcleo De Estudos Em Saúde Pública. 2014. [Acesso em:01 de maio de 2016]. Disponível em: < http://www.saudecampofloresta.unb.br/wpcontent/uploads/2015/03/Relato%CC%81rio-Dados-secund%C3%A1rios-final1.pdf >.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Seminário Nacional sobre Escassez, Provimento e Fixação de Profissionais de Saúde em Áreas Remotas de Maior Vulnerabilidade, 2012.

Ceccim R, Feuerwerker LCM. O Quadrilátero da Formação para a Área da Saúde: Ensino, Gestão, Atenção e Controle Social. PHYSIS: Rev. Saúde Coletiva.2004:14(1): 41-65.

Brasil. Lei 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens - ProJovem. Casa civil: Subchefia para Assuntos Jurídicos, 2005.

Brasil. Portaria MEC/MS nº 1.077, de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em Área Profissional da Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para Residências Multiprofissionais e em Área Profissional da Saúde e a Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, 2009.

Dallegrave D, Ceccim RB. Residências em Saúde: o que há nas produções de teses e dissertações? Interface (Botucatu). 2013:17(47):759-76.

Sarmento L. F. Residência Multiprofissional em Saúde: análise da oferta de programas financiados pelo Ministério da Saúde de 2009 a 2015. Dissertação. Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva do Instituto de Medicina Social. Rio de Janeiro, 2016. 143p.

Secretaria Estadual de Saúde. Secretaria-Executiva de Gestão do Trabalho e Educação em Saúde. 2015. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em < http://portal.saude.pe.gov.br/programa/secretaria-executiva-de-gestao-do-trabalho-e-educacao-em-saude/programas-de-residencias >.

Silva, LRC. et al. Pesquisa documental: alternativa investigativa na formação docente. [IX Congresso Nacional de Educação/III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, 2009; PUCPR].

Bardin, L. Análise de conteúdo. Edições 70. Lisboa: LDA, 2009.

¬¬¬¬ Shiroma EO. et al. Subsídios teóricos para construção de uma metodologia para análise de documentos de Política Educacional. In. Dossiê: uma metodologia para análise conceitual de documentos sobre política educacional, 2004.

Carneiro FF. et al (org). Análise das políticas públicas em interface com a política nacional de saúde integral das populações do campo e da floresta (PNSIPCF). Relatório de matriciamento versão final. Fortaleza/Ceará Maio/2014b. Disponível em: <https://issuu.com/alantygel/docs/relat__rio_matriciamento_vers__o_fi>. Acesso em: 29 de abril de 2016.

Behring,ER, Boschetti, I. Keynesianismo-fordismo e a generalização da política social. In: Behring,ER, Boschetti, I. Política Social-fundamentos e história. 9. ed. São Paulo: Cortez, 201, 82-111.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Relatório do II Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo e da Floresta, 2014.

Teixeira CF, Paim JS, Vilasbôas AL. Sus, modelos assistenciais e vigilância da saúde. Inf. Epidemiol.1998:7(2).

Foucault M. Microfísica do Poder. Rio de Janeiro: Ed. Graal, 1985.

Brasil. Portaria MS/MEC Nº. 1077 de 12 de novembro de 2009. Dispõe sobre a Residência Multiprofissional em Saúde e a Residência em área profissional em Saúde, e institui o Programa Nacional de Bolsas para residências multiprofissionais e em área profissional em Saúde e a comissão nacional Residência Multiprofissional em Saúde. Diário Oficial da União, 2009, Seção I, p.7.

Rocha A. Para discutir a saúde de forma integral, é necessário romper com a lógica da doença: Saúde é a capacidade de lutar contra tudo que nos oprime. Entrevista concedida a Juana Tavares. Jornal Sem Terra, 2010: 1, 4-5. [ Acesso em: Abril de 2016]. Disponível: <http://docvirt.noip.com/docreader.net/DocReader.aspx?bib=hemerolt&pagfis=15755&pesq=>.

Ramos, M. Trabalho, educação e correntes pedagógicas no Brasil: um estudo a partir da formação dos trabalhadores técnicos da saúde. Rio de Janeiro: Ed UFRJ/ EPSJV, 2010.

Vasconcelos EM. Redefinindo as práticas de Saúde a partir de experiências de Educação Popular nos serviços de saúde. Interface - Comunic, Saúde, Educ, Botucatu, 2001.

Termo de assinatura VerSuS. Secretaria Executiva do VER-SUS Brasil. 2015. [ Acesso em: Abril de 2016]. Disponível:< file:///C:/Users/camille/Downloads/Termo%20de%20Referencia%20%20-%20VER-SUS%20SAUDE%20NO%20CAMPO%20CARUARU.pdf>.

Freire P. Extensão ou comunicação? 7. ed. Rio de Janeiro: Ed Paz e Terra, 1983.

Löwy, M. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Münchhausen. São Paulo: Busca Vida, 5ª ed., 1987.

Movimento dos trabalhadores rurais sem terra- MST. Cartilha de saúde Nº 5, 2000. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em:

Dantas ACMTV, Falcão IV. Formação integral nas residências multiprofissionais em saúde: uma experiência junto ao Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra. Rev. Ed. Popular. 2014/:13(2),10-24.

I Encontro Nacional de Saúde das Populações do Campo, da Floresta e das Águas, 2015, Brasília. Manifesto De Saúde Das Populações Do Campo, Da Floresta E Das Águas: “Cuidar, promover, preservar: a saúde se conquista com luta popular!” [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em: <https://issuu.com/comunicacaompa/docs/manifesto_de_sa__de_das_popula____e>.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Departamento de Apoio à Gestão Participativa. Saúde e ambiente para as populações do campo, floresta e das águas, 2015.

Albuquerque PC. et al. A educação popular em saúde na experiência de construção da residência multiprofissional em saúde da família com ênfase na saúde da população do campo. In: 11º Congresso Brasileiro de Saúde Coletiva, 2015, Goiânia. Resumo...Goiânia: Universidade Federal de Goiás, 2015. [Acesso em: abril de 2016]. Disponível em: <http://www.saudecoletiva.org.br/programacao/exibe_trabalho.php?id_trabalho=7448&id_atividade=898&tipo=>.

Downloads

Publicado

2018-12-04