A presença do acompanhante na urgência

Autores

  • Ana Carolina Guarnieri
  • Danielle Abdel Massih Pio

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i4.2014

Palavras-chave:

Acesso aos serviços de saúde, humanização da assistência, acolhimento, assistência hospitalar.

Resumo

O paciente em situação de urgência enfrenta, além da dor física, o impacto emocional do adoecimento. Nesse contexto o paciente pode estar com um acompanhante, nem sempre bem acolhido pela instituição hospitalar. Este estudo teve por objetivo compreender o significado dado pelo paciente à presença do acompanhante na urgência e avaliar relações e práticas envolvidas neste cenário. Trata-se de uma pesquisa exploratória qualitativa realizada com doze pacientes de uma unidade de Pronto Socorro em um hospital escola. Para o tratamento das entrevistas utilizou-se o método da análise de conteúdo temática e referenciais teóricos de saúde pública, da Política Nacional de Humanização e da Psicologia Hospitalar. Os temas que emergiram possibilitaram discussão das dificuldades encontradas pelos usuários. Destaca-se o papel do acompanhante como fonte de suporte emocional, colocado pelo paciente como auxiliar na comunicação com a equipe. É enfatizada a importância do acolhimento ao paciente e acompanhante, porém conclui-se que ainda são muitos os desafios nos serviços de emergência, pela necessidade de adequação de sua estrutura para a assistência ocorrer de forma integral, resolutiva e humanizada.

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Especializada. Manual Instrutivo da Rede de Atenção às Urgências e Emergências no Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília: Ministério da Saúde; 2009.

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1451, de 17 de março de 1995. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 17 mar. 1995; Seção 1, p. 3666.

Rossi L, Gavião ACD, Lucia MCS, Awada SB. Psicologia e emergências médicas: uma aproximação possível. Psicologia hospitalar, 2004;2(2). Disponível em: [http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid=S1677-74092004000200009&script=sci_arttext], acesso em [15 de março de 2014].

Perez GH. O psicólogo na unidade de emergência. In: Ismael SMC, organizadora. A prática psicológica e sua interface com as doenças. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 53-65.

Ismael SMC. A inserção do psicólogo no contexto hospitalar. In: Ismael SMC, organizadora. A prática psicológica e sua interface com as doenças. São Paulo: Casa do Psicólogo; 2010. p. 17-35.

Vieira MC. Atuação da psicologia hospitalar na medicina de urgência e emergência. Revista da Sociedade Brasileira de Clínica Médica. 2010;8(6):513-9. Disponível em: [http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2010/v8n6/a1602.pdf], acesso em [15 de março de 2014].

Beuter M, Brondani CM, Szareski C, Cordeiro FR, Roso CC. Sentimentos de familiares acompanhantes de adultos face ao processo de hospitalização. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2012;16(1):134-40. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/ean/v16n1/v16n1a18.pdf], acesso em [15 de março de 2014].

Squassante ND, Alvim NAT. Relação equipe de enfermagem e acompanhantes de clientes hospitalizados: implicações para o cuidado. Revista Brasileira de Enfermagem. 2009;62(1):11-7. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/reben/v62n1/02.pdf], acesso em [15 de março de 2014].

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: Política Nacional de Humanização: a humanização como eixo norteador das práticas de atenção e gestão em todas as instâncias do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Clínica ampliada, equipe de referência e projeto terapêutico singular. Brasília: Ministério da Saúde; 2008.

Ceccim RB, Merhy EE. Um agir micropolítico e pedagógico intenso: a humanização entre laços e perspectivas. Interface: comunicação, saúde, educação, 2009;13(1):531-42. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/icse/v13s1/a06v13s1.pdf ], acesso em [15 de novembro de 2014].

Fundação Municipal de Ensino Superior de Marília. Relatório de Atividades, 2015. Disponível em [http://www.famema.br/institucional/documentos/docs/Rel%20Famema%20Corrigido%202015.pdf], acesso em [20 de janeiro de 2017].

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13ª ed. São Paulo: Hucitec; 2013.

Constantino EP., organizador. Percursos da pesquisa qualitativa em Psicologia. São Paulo: Art & Ciência; 2007.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2012.

Menzani G, Bianchi ERF. Stress dos enfermeiros de pronto socorro dos hospitais brasileiros. Revista Eletrônica de Enfermagem, 2009;11(2):327-33. Disponível em: [http://www.fen.ufg.br/fen_revista/v11/n2/pdf/v11n2a13.pdf], acesso em [15 de novembro de 2014].

Giglio-Jacquemot A. Urgências e emergências em saúde: perspectivas de profissionais e usuários. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2005.

Barbosa LNF, Pereira JA, Alves V, Ragozini CA, Ismael SMC. Reflexões sobre a ação do psicólogo em unidades de emergência. Revista SBPH, 2007;10(2):73-82. Disponível em: [http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rsbph/v10n2/v10n2a09.pdf], acesso em [15 de março de 2014].

Marques GQ, Lima MADS. Demandas de usuários a um serviço de pronto atendimento e seu acolhimento ao sistema de saúde. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 2007;15(1):13-19. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/rlae/v15n1/pt_v15n1a03.pdf], acesso em [15 de novembro de 2014].

Souza MF, Figueiredo LA, Pinto IC. Análise da utilização do serviço de pronto-socorro na percepção do usuário. Ciência, Cuidado e Saúde, 2010;9(1):13-20. Disponível em: [http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/CiencCuidSaude/article/view/5242/5731], acesso em [15 de novembro de 2014].

Sousa L, Almeida A, Simões CJ. Vivências em Serviço de Urgências: o papel dos acompanhantes dos doentes. Saúde e Sociedade, 2011;20(1):195-206. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v20n1/21.pdf], acesso em [15 de março de 2014].

Kovács MJ. Educação para a morte. Psicologia, Ciência e Profissão, 2005;25(3):484-97. Disponível em: [http://www.scielo.br/pdf/pcp/v25n3/v25n3a12.pdf], acesso em [15 de novembro de 2014]

Hohendorff JV, Melo WV. Compreensão da morte e desenvolvimento humano: contribuições à psicologia hospitalar. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 2009;9(2):480-92. Disponível em: [http://www.revispsi.uerj.br/v9n2/artigos/pdf/v9n2a14.pdf], acesso em [15 de novembro de 2014].

Winnicott DW. Os bebês e suas mães. São Paulo: Martins Fontes; 2006.

Brasil. Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 16 jul. 1990; Seção 1, p. 1.

Brasil. Lei nº 11.108, de 7 de abril de 2005.

Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde - SUS. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 7 abr. 2005; Seção 1, p. 1.

Brasil. Lei nº 10.741, de 1º de outubro de 2003. Dispõe sobre o Estatuto do Idoso e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 3 out. 2003; Seção 1, p. 1.

Brasil. Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. HumanizaSUS: visita aberta e direito a acompanhante. Brasília: Ministério da Saúde; 2010a.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Ambiência. Brasília: Ministério da Saúde; 2010b.

Downloads

Publicado

2018-09-06

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS