Perfil de estudantes acompanhados por um serviço de educação inclusiva do sertão baiano

Autores

  • Isabel Dielle Souza Lima Pio Colegiado de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Vale do São Francisco, UNIVASF http://orcid.org/0000-0002-2910-7835
  • Deuzilane Muniz Nunes Colegiado de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Vale do São Francisco, UNIVASF

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i3.2008

Palavras-chave:

Transtornos de Aprendizagem, Saúde Escolar, Saúde da Criança, Saúde do Adolescente

Resumo

Buscou-se conhecer o perfil clínico-epidemiológico de alunos com problemas de aprendizagem e/ou comportamento acompanhados pelo Núcleo de Educação Inclusiva da Secretaria Municipal de Educação e Esportes (NEI/SEDUC) de Juazeiro-BA. Analisaram-se também as concepções dos familiares sobre o diagnóstico e tratamento destas condições. Realizou-se a pesquisa em duas etapas. Primeiramente coletaram-se os dados dos estudantes através das fichas cadastrais preenchidas pelos profissionais do Núcleo. Na segunda fase, realizou-se uma entrevista semiestruturada com 04 cuidadores de alunos que possuíam suspeita ou diagnóstico de pelo menos um dos transtornos identificado na primeira fase. Foram analisadas 62 fichas, detectando-se maioria masculina (71,12%) e idade média de 13,71 ± 7,59 anos. Os estudantes residiam majoritariamente na zona urbana. A metade dos alunos não possuía diagnóstico concluído e um terço não realizava acompanhamento médico. Os problemas mais citados foram Transtorno do Desenvolvimento das Habilidades Escolares (22,6%), Retardo Mental Moderado (8,1%), TDAH (4,8%) e Dislexia (4,8%). O uso de medicamentos ocorreu em 43,6% dos alunos com maior frequência de antipsicóticos (40%) e antiepilépticos (34,29%). As entrevistas apontaram questões importantes para o diagnóstico, como a fala, a baixa interação social e o desempenho escolar. O destaque para o setor da Atenção Primária como partida no itinerário terapêutico demonstra seu potencial reestruturador das atividades do Sistema Único de Saúde. Esse estudo traz subsídios para construção de estratégias intersetoriais para a saúde e educação municipal.

Biografia do Autor

Isabel Dielle Souza Lima Pio, Colegiado de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Vale do São Francisco, UNIVASF

Farmacêutica, Mestre em Ciências. Professora do colegiado de Ciências Farmacêuticas, Universidade Federal do Vale do São Francisco- UNIVASF, Rua José de Sá Maniçoba S/N, Centro, Petrolina, Pernambuco, Brasil. CEP: 56304-917. Caixa Postal: 252. Tel/Fax: (87) 2101-6862.

Referências

Lima RF, Mello RJL, Massoni I, Ciasca SM. Dificuldades de aprendizagem: queixas escolares e diagnósticos em um serviço de neurologia infantil. Rev Neurociências. 2006);14(4):185-90.

Conselho Regional de Psicologia de São Paulo; Grupo Interinstitucional Queixa Escolar. Medicalização de crianças e adolescentes: conflitos silenciados pela redução de questões sociais a doença de indivíduos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2011

Delfini PSDS, Dombi-Barbosa C, Fonseca FLD, Tavares CM, Reis AOA. Perfil dos usuários de um centro de atenção Psicossocial infanto-juvenil da grande São Paulo, Brasil. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2009; 19(2): 226-236.

Meira MEM. Para uma crítica da medicalização na educação. Psicol Esc Educ. 2012 16(1): 136-142. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-85572012000100014

Brzozowski FS, Caponi SNC. Medicalização dos desvios de comportamento na infância: aspectos positivos e negativos. Psicol cienc prof. 2013; 33(1): 208-22.

Zucoloto PCSV, Patto MHS. O médico higienista na escola: as origens históricas da medicalização do fracasso escolar. Rev Bras Crescimento Desenvolv Hum. 2007; 17(1): 136-145.

Odeh MM. O atendimento educacional para crianças com deficiências no hemisfério sul e a integração não planejada: implicações para as propostas de integração escolar. Rev. bras. educ. espec. 2000; 1(6); 27-42.

Barbosa VBA, Ferreira MLSM, Barbosa PMK. Educação permanente em saúde: uma estratégia para a formação dos agentes comunitários de saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2012; 33(1): 56-63.

Mattos P. No mundo da lua: Perguntas e respostas sobre transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Casa Leitura Médica, 2010. ISBN: 9788564828001.

Santos DN, Carvalho MM, Pinho MA, Nunes APR. Atendimento em psiquiatria da infância e adolescência em serviços públicos de Salvador. RBSP. 2005; v.29 n.1, p.35-42.

Delvan JS, Portes JRM, Cunha MP, Menezes M, Legal, EJ. Crianças que utilizam os serviços de saúde mental: caracterização da população em uma cidade do sul do Brasil. Rev Bras Cresc e Desenv Hum. 2010; 20(2): 228-237.

Pinheiro RS, Viacava, F, Travassos, C, Brito, AS. Gênero, morbidade, acesso e utilização de serviços de saúde no Brasil. Ciênc. saúde coletiva. 2002; 7(4): 687-707. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232002000400007.

Bahia. Secretaria Estadual de Saúde. Resolução CIB nº 275/2012. Aprova as regiões de saúde do Estado da Bahia e a instituição das Comissões Intergestores Regionais. Diário Oficial do Estado da Bahia, Salvador, 2012.

Bahia, Secretaria Estadual de Saúde. Regiões de saúde do estado da Bahia 2007 a 2013. Bahia: Diretoria de Modernização Administrativa [atualizado em 2016 may 12}. disponível em: http://www1.saude.ba.gov.br/mapa_bahia/indexch.asp

Fontana RS, Vasconcelos MM, Werner Jr. J, Góes FV, Liberal EF. Prevalência de TDAH em quatro escolas públicas brasileiras. Arq. Neuro-Psiquiatr. 2007 ; 65(1): 134-137.DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0004-282X2007000100027.

Dal Pizzol TS, Branco MMN, Carvalho RMA, Pasqualotti A, Maciel EM, Migotti AMB. Uso não-médico de medicamentos entre escolares. Cad Saúde Pública. 2006; 22 (1): 109-115.

Tavares BF, Beria JU, Lima MS. Prevalência do uso de drogas e desempenho escolar entre adolescentes. Rev Saúde Pública. 2001; 35 (2);150-158. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102001000200008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária (BR). Portaria nº 344: Regulamento técnico sobre substâncias e medicamentos sujeitos a controle especial. Brasília, DF, maio,1998, 29p.

Brasil HHA, Belisario Filho JF. Psicofarmacoterapia. Rev Bras Psiquiatr. 2000; 22(Supl II): S42-47. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462000000600012.

Boarini ML, Borges RF. Hiperatividade, higiene mental, psicotrópicos: enigmas da caixa de Pandora. Maringá, PR: EDUEM, 2009. ISBN: 978-85-7628-211-2.

Brasil. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. Centro Brasileiro De Informações Sobre Drogas Psicotrópicas. Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP). VI Levantamento Nacional sobre o Consumo de Drogas Psicotrópicas entre Estudantes do Ensino Fundamental e Médio das Redes Pública e Privada de Ensino nas 27 Capitais Brasileiras – 2010. Brasília, 2010, 503p. ISBN: 978-85-60662-63-0.

Cardoso L, Galera SAF. Adesão ao tratamento psicofarmacológico. Acta Paul Enferm. 2006; 19 (3); 343-8. DOI: 10.1590/S0103-21002006000300015.Klin A. Autismo e síndrome de Asperger. Rev Bras Psiquiatr. 2006; 28(Supl I); S3-11.

Goulart BNGD, Lucchesi MC, Chiari BM. A unidade básica de saúde como espaço lúdico para educação e promoção da saúde infantil – Relato de experiência. Rev. Bras. Cresc. e Desenv. Hum. 2010; 20(3): 757-761.

Santos, PL. Problemas de saúde mental de crianças e adolescentes atendidos em um serviço público de psicologia infantil. Psicol Estud. 2006; 11(2); 315-321.

Onocko-Campos RT, Furtado JP. Entre a saúde coletiva e a saúde mental: um instrumental metodológico para avaliação da rede de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) do Sistema Único de Saúde. Cad Saúde Pública. 2006; 22(22): 1053-1062.

Glat R, Fernandes EM. Da educação segregada à educação inclusiva: uma breve reflexão sobre os paradigmas educacionais no contexto da Educação Especial Brasileira. Revista Inclusão. 2005; 1(1): 35-39.

Publicado

2018-04-13

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS