Coleção de formas e fôrmas de formar preceptores

Autores

  • Marianna Golembiewski Ribeiro Mendes Grupo Hospitalar Conceição
  • Daniela Dallegrave Grupo Hospitalar Conceição

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.2003

Palavras-chave:

Residência em Saúde, Preceptoria, Educação Profissional, Saúde Pública.

Resumo

Nesta pesquisa situamos as Residências Multiprofissionais em Saúde como tecnologias de formação para o Sistema Único de Saúde e descrevemos o contexto do programa de residência de onde falamos. Caracterizamos o papel dos preceptores e, a partir da bibliografia já produzida, definimos o objetivo do estudo com relação à necessidade de qualificar a formação dos trabalhadores que exercem a preceptoria. Buscamos conhecer através de grupo focal o que os preceptores consideram que poderia contribuir para suas formações. Os resultados da pesquisa foram categorizados como parte da análise temática e o agrupamento dos núcleos de sentido produziu três categorias principais: a primeira categoria abarca as percepções de que as iniciativas de formação para conhecer e reconhecer os programas de residência devem ser voltadas para todos os trabalhadores da instituição. A segunda categoria é referente às iniciativas de formação voltadas para os preceptores em específico e contém sugestões de iniciativas consideradas potentes pelos participantes da pesquisa. Por fim, a terceira categoria expõe questões institucionais que sobrecarregam e desgastam esses profissionais e, por isso, se sobrepõem a qualquer formação possível. Discutimos que o fundamental, no contexto atual, parece ser priorizar maior apoio institucional para não de-formar a ação dos preceptores, que apresentam sentimentos de desvalorização, desgaste e solidão frente à postura da instituição.

Biografia do Autor

Marianna Golembiewski Ribeiro Mendes, Grupo Hospitalar Conceição

Psicóloga Residente da Residência Integrada em Saúde do Grupo Hospitalar Conceição, Ênfase Saúde Mental.

Daniela Dallegrave, Grupo Hospitalar Conceição

Enfermeira, Doutora em Educação, docente permanente do mestrado profissional em Avaliação e Produção de Tecnologias para o SUS do Centro de Educação Tecnológica e Pesquisa em Saúde - Escola GHC.

Referências

BRASIL. Lei 8.080, de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set 1990.Disponível em:<http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8080.htm> Acesso em: 22 jan 2017.

Ministério da Educação (BR), Comissão Nacional de Residência Multiprofissional em Saúde (CNRMS). Resolução n. 2, de 13 de abril de 2012: dispõe sobre as diretrizes gerais para os programas de residência multiprofissional e em áreas da saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 13 abr 2002. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15448-resol-cnrms-n2-13abril-2012&Itemid=30192> Acesso em: 22 jan 2017.

BRASIL. Lei n. 11.129, de 30 de junho de 2005. Institui o Programa Nacional de Inclusão de Jovens – ProJovem; cria o Conselho Nacional da Juventude – CNJ e a Secretaria Nacional de Juventude; altera as Leis nos 10.683, de 28 de maio de 2003, e 10.429, de 24 de abril de 2002; e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1 jul 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11129.htm> Acesso em: 22 jan 2017.

Rossoni E, Lampert J. Formação de profissionais para o Sistema Único de Saúde e as diretrizes curriculares. Bol Saúde. 2004;18(1):87-98.

Silva QTA. (2010). Residência multiprofissional em saúde: o estar-junto na formação dos residentes em saúde (dissertação de mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Grupo Hospitalar Conceição [homepage na internet]. Quem somos [acesso em 22 jan 2017]. Disponível em:

Escola GHC [homepage na internet]. A Escola GHC [acesso em 22 jan 2017]. Disponível em: <http://www.escola.ghc.com.br>

[Retirado para fins de avaliação por parecerista] (tese de doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul;2013.

Fajardo AP. Os tempos da docência nas Residências em Área Profissional da Saúde: ensinar, atender e (re) construir as instituições-escola na saúde (tese de doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2011.

Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde (BR). Resolução N° 466 de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. N° 112 de 13 de junho de 2013. Brasília: MS; 2013. Pp. 59–62.

Gatti BA. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livro Editora; 2005.

Cruz Neto O, Moreira MR, Sucena LFM, Marins RS. Grupos focais e pesquisa social qualitativa: o debate orientado como técnica de investigação. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2001.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 6ª Ed. São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: ABRASCO; 1999.

Merhy EE. Em busca do tempo perdido: a micropolítica do trabalho vivo em ato. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Editora Hucitec;1997. p. 71-112.

Demarco EA. Formação multiprofissional como tecnologia para qualificar a Atenção Primária à Saúde no SUS: avaliação de um programa de residência (dissertação de mestrado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul;2011.

Prado ML, Velho MB, Espíndola DS, Sobrinho SH, Backes VMS. Arco de Charles Maguerez: refletindo estratégias de metodologia ativa na formação de profissionais de saúde. Esc Anna Nery RevEnferm. 2012;16(1):172-7.

Berbel NAN. A problematização e a aprendizagem baseada em problemas. Interface Comum Saúde Educ 1998; 2:139-54.

Cyrino EG, Toralles-Pereira ML. Trabalhando com estratégias de ensino-aprendizado por descoberta na área da saúde: a problematização e a aprendizagem baseada em problemas. CadSaude Pública. 2004;20(3):780-8.

Mitre S M, Siqueira-Batista R, Girardi-de-Mendonça JM, Morais-Pinto N M, Meirelles C A B, Pinto-Porto C, Moreira T, Hoffmann LMA. Metodologias ativas de ensino-aprendizagem na formação dos profissionais de saúde: debates atuais. CienSaude Colet. 2008; 13(Supl. 2):2133-2144.

Marin MJS, Gomes R, Marvulo MML, Primo EM, Barbosa PMK, Druzian S. Pós-Graduação Multiprofissional em Saúde: resultados de experiências utilizando metodologias ativas. Interface Comum Saúde Educ. 2010;14(33):331-44.

Downloads

Publicado

2018-12-04