Concepções sobre o Processo de Alta Hospitalar: Uma Revisão Crítica

Autores

  • Renata Laureano da Silva Centro Universitário Tiradentes de Alagoas
  • Maria Auxiliadora Teixeira Ribeiro Universidade Federal de Alagoas
  • Cristina Camelo de Azevedo Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i4.1975

Palavras-chave:

alta do paciente, literatura de revisão, saúde do adulto, saúde do idoso

Resumo

Objetivamos discutir as concepções acerca do processo de alta hospitalar, a partir de uma revisão crítica da literatura científica em diálogo com a experiência vivenciada pelas autoras, no Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto e do Idoso de um Estado da região Nordeste do Brasil. A busca das produções científicas foi realizada em bases de dados (Scielo; Bireme e PubMed), utilizando os descritores alta hospitalar e alta do paciente, separadamente. Foram encontrados um total de cinquenta e quatro produções, no entanto, vinte artigos nortearam a proposta deste trabalho. Para análise do material, fizemos uma leitura seletiva a qual categorizou e relacionou as produções norteada ao objetivo. Notamos predominância de pesquisas nas áreas de Enfermagem e Medicina, que estão publicadas em revistas das áreas correspondentes, durante o período de 2010 a 2013. Esses estudos, em sua maioria, caracterizam-se como epidemiológicos e descritivos, com utilização de escalas e foram realizados predominantemente no Estado de São Paulo. Identificamos que as mudanças na concepção de alta hospitalar produzem efeitos na maneira de desenvolver as práticas. Ao refletir sobre a literatura científica e nossas práticas, compreendemos a alta como um processo e não apenas, como a saída do paciente do hospital. Por fim, demarcamos que operar com um ou outro conceito, não é apenas uma questão teórica, e sim, o reflexo do modo como nossos saberes produzem formas de intervenção na realidade e de relação com os sujeitos.

Biografia do Autor

Renata Laureano da Silva, Centro Universitário Tiradentes de Alagoas

Professora Preceptora de Psicologia do Centro Universitário Tiradentes de Alagoas - UNIT/AL Mestra em Psicologia na Universidade Federal de Alagoas Especialista em Saúde do Adulto e do Idoso na modalidade da Residência Multiprofissional em Saúde – UFAL – HUPAA Graduada em Psicologia pela Universidade Federal de Alagoas

Maria Auxiliadora Teixeira Ribeiro, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Psicologia (Psicologia Social) pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (2003) Professora associada 2 do curso de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL); vice-coordenadora do Programa de Pós-graduaçao em Psicologia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL)

Cristina Camelo de Azevedo, Universidade Federal de Alagoas

Doutorado em Saúde Pública pela Escola Nacional de Saúde Pública da Fundação Oswaldo Cruz (ENSP/ FIOCRUZ); Professora do curso de Psicologia da Universidade Federal de Alagoas (UFAL); Coordenadora eleita da Comissão de Residência Multiprofissional em Saúde da UFAL e do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde do Adulto e do Idoso da UFAL

Referências

Spink MJP. Práticas discursivas e produção de sentidos no cotidiano – aproximações teóricas e metodológicas. 1999; São Paulo: Cortez.

Lima TCS, Mioto RCT. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Rev. Katál. Florianópolis. 2007; v. 10 n. esp. p. 37-45.

Vesz PS, Costanzi M, Stolnik D, Dietrich C, Freitas KLC, Silva LA, et al. Aspectos funcionais e psicológicos imediatamente após alta da unidade de terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2013; 25(3):218-224.

Padilha KG, Sousa RMC, Silva MCM, Rodrigues AS. Disfunções orgânicas de pacientes internados em Unidades de Terapia Intensiva segundo o Logistic Organ Dysfunction System. Rev Esc Enferm USP. 2009; 43(Esp 2):1250-5.

Oliveira AC, Martins MA, Martinho GH, Clemente WT, Lacerdac RA. Estudo comparativo do diagnóstico da infecção do sítio cirúrgico durante e após a internação. Rev Saúde Pública. 2002; 36(6):717-22.

Moreira MSS, Crippa JAS, Zuardia AW. Expectativa de desempenho social de pacientes psiquiátricos internados em hospital geral. Rev Saúde Pública. 2002; 36(6):734-42.

Silva SA, Valácio RA, Botelho FC, Amaral CFS. Fatores de atraso na alta hospitalar em hospitais de ensino. Rev Saúde Pública. 2014; 48(2):314-321.

Araujo TG, Rieder MM, Kutchak FM, Filho JWF. Readmissões e óbitos após a alta da UTI – um desafio da terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2013; 25(1):32-38.

Castro FSF, Peniche ACG, Mendoza IYQ, Couto AT. Temperatura corporal, Índice Aldrete e Kroulik e alta do paciente da Unidade de Recuperação Pós-Anestésica. Rev Esc Enferm USP. 2012; 46(4):872-6.

Miasso AI, Cassiani SHB. Administração de medicamentos: orientação final de enfermagem para a alta hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2003; 39(2):136-44.

Marin MJS, Bazaglia FC, Massarico AR, Silva, CBA, Campos RT, Santos SC. Características sócio-demográficas do atendimento ao idoso após alta hospitalar na Estratégia da Saúde de Família. Rev Esc Enferm USP. 2010; 44(4):962-8.

Cardoso L, Galera SAF. Internação psiquiátrica e a manutenção do tratamento extra-hospitalar. Rev Esc Enferm USP. 2011; 45(1):87-94.

Nogueira PA. Motivos e tempo de internação e o tipo de saída em hospitais de tuberculose do Estado de São Paulo, Brasil – 1981 a 1995. J Pneumol. 2001; 27(3).

Brasil. Ministério da Saúde. História e Evolução dos Hospitais. Departamento Nacional de Saúde. Divisão de organização hospitalar.1965; Rio de Janeiro, 1944. (Reedição em 1965).

Ganzella M, Fontão Zago MM. A alta hospitalar na avaliação de pacientes e cuidadores: uma revisão integrativa da literatura. Acta Paulista de Enfermagem 2008; v. 21, n. 2, 351-355.

Brasil Ministério da Saúde. Portaria Nº 2.809, de 7 de dezembro de 2012. Estabelece a organização dos Cuidados Prolongados para retaguarda à Rede de Atenção às Urgências e Emergências (RUE) e às demais Redes Temáticas de Atenção à Saúde no âmbito do SistemaÚnico de Saúde (SUS). 2012.

Araújo FSR. O planejamento da alta hospitalar pelo enfermeiro aos clientes das unidades clínicas & cirúrgicas: perspectiva da complexidade em saúde numa atitude transdisciplinar [dissertação]. Niterói: Escola de Enfermagem Aurora Afonso Costa - Universidade Federal Fluminense; 2012.

Reis PGTA, Nakakogue C, Nakakogue T, Nasr A, Tomasich FDS, Collaço IA. Orientações de alta: cartões padronizados ajudam na compreensão dos pacientes do pronto socorro? Rev. Col. Bras. 2013; Cir. 40(4): 335-341.

Suzuki VF, Carmona EV, Lima, MHM. Planejamento da alta hospitalar do paciente diabético: construção de uma proposta. Revista da Escola de Enfermagem USP. 2011; v. 45, n. 2, 527-32.

Feuerwerker LCM, Cecílio LCO. O hospital e a formação em saúde: desafios atuais.

Ciência & Saúde Coletiva. 2007; 12 (4): 965-971.

Mata LRF, Napoleão AA. Intervenções de enfermagem para alta de paciente prostatectomizado: revisão integrativa. Acta Paul Enferm. 2010; 23(4):574-9.

Teixeira JPDS, Rodrigues MCS, Machado VB. Educação do paciente sobre regime terapêutico medicamentoso no processo de alta hospitalar: uma revisão integrativa. Rev Gaúcha Enferm. 2012; Porto Alegre (RS); 33(2):186-196.

Paiva RS, Valadares GV. Vivenciando o conjunto de circunstâncias que influenciam na significação da alta hospitalar: estudo de enfermagem. Esc Anna Nery (impr.). 2013; abr - jun; 17 (2):249-255.

Foucault M. Nietzsche, a genealogia e a história. In: M. Foucault. Microfísica do poder (pp. 15-37). São Paulo: Graal; 1979.

CREMESP. Cadernos Cremesp - Ética em ginecologia e obstetrícia / Cristião Fernando Rosas (coord.). 2004; 3ª ed. São Paulo: Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo.

Conselho Federal de Serviço Social Parâmetros para Atuação de Assistentes Sociais na Política de Saúde. 2010; Série: Trabalho e Projeto Profissional nas Políticas Públicas. Maria Inês Souza Bravo (coord.). Brasília.

Downloads

Publicado

2018-12-04