Violência perpetrada contra o grupo LGBT: Interfaces com desordens fisiológicas e psicológicas nas vítimas

Autores

  • Grayce Alencar Albuquerque Universidade Regional do Cariri (URCA)
  • Jeanderson Soares Parente Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN)

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i4.1927

Palavras-chave:

Homossexuais, Bissexuais, Transgêneros, Violência, Sintomas Psíquicos.

Resumo

Objetivou-se identificar a prevalência de distúrbios fisiológicos e psicológicos que acometem a população de Lésbicas Gays Bissexuais e Transgêneros (LGBT) como consequência da violência sofrida. Esta investigação trata-se de um estudo transversal realizado com 316 indivíduos LGBTs recrutados a partir do movimento reivindicatório intitulado Parada do Orgulho LGBT, nos municípios de Juazeiro do Norte e Crato, Ceará, Brasil. Os resultados demonstraram que a violência psicológica foi o tipo de violência mais prevalente (78,8%, n=249) em relação a violência física (31,3%) e sexual (18,4). Houveram consequências decorrentes da violência sofrida na maioria dos entrevistados (81,4%, n=257). No que concerne a estas consequências, houve forte destaque para a ocorrência de consequências psicológicas nos participantes, principalmente através da manifestação de tristeza (42,7%, n=135). Ademais, se mostrou bastante preocupante o elevado número de participantes que tentam cometer suicídio após manifestação de pensamentos suicidas (13,9%, n=44). Tais resultados demonstram que a violência contra a população LGBT produz desordens de caráter psicológico e fisiológico que ameaçam consideravelmente a qualidade de vida desse grupo, ao passo que repercutem negativamente em sua sociabilidade e realização de atividades de vida diária. Neste sentido, faz-se necessário combater a raiz de tais problemas a partir da garantia dos direitos humanos do grupo e enfrentamento aos ataques cotidianos contra a moral direcionados a esta população.

Biografia do Autor

Grayce Alencar Albuquerque, Universidade Regional do Cariri (URCA)

Enfermeira. Doutora em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina do ABC (FMABC). Professora Assistente do Departamento de Enfermagem da Universidade Regional do Cariri (URCA). Coordenadora do Observatório em Violência e Direitos Humanos da Região do Cariri (URCA). Líder do Grupo de Pesquisa Sexualidade, Gênero, Diversidade Sexual e Inclusão (GPESGDI). Tutora do PET Saúde GraduaSUS, Crato, Ceará, Brasil.

Jeanderson Soares Parente, Faculdade de Juazeiro do Norte (FJN)

Enfermeiro graduado pela Faculdade de Juazeiro do Norte. Integrante do Grupo de Pesquisa em Sexualidade, Gênero, Diversidade Sexual e Inclusão (GPESGDI) da Universidade Regional do Cariri (URCA), Crato, Ceará, Brasil.

Referências

Albuquerque, GA et al. Homossexualidade e o direito à saúde: um desafio para as políticas públicas de saúde no Brasil. Saúde em Debate. 2013; 38 (98): 516-24.

Lionço T. Atenção integral à saúde e diversidade sexual no Processo Transexualizador do SUS: avanços, impasses, desafios. Physis. 2009; 19( 1 ): 43-63.

Nunan, A. Violência doméstica entre casais homossexuais: o segundo armário? Psico. 2004; 35(1), 69-78.

Harper GW, Schneider M. Opressão e da discriminação entre as pessoas e as comunidades de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros:. Um desafio para a psicologia comunitária. Jornal Americano de Psicologia Comunitária 2003; 31:243-252.

Meyer IH. Minority estresse e saúde mental em homens homossexuais. Jornal de Saúde e Comportamento Social. 1995; 36 :38-56.

Hughes TL, Eliason MJ. Uso e abuso de drogas em populações de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros. Jornal de Prevenção Primária. 2002; 22: 263-298.

Rosario M, Schrimshaw EW, Hunter J. Preditores de uso de substância ao longo do tempo entre jovens gays, lésbicas e bissexuais: Uma análise de três hipóteses. Addictive Behaviors. 2004; 29.

Huebner DM, Rebchook GM, Kegeles SM. Experiências de assédio, discriminação e violência física entre os homens gays e bissexuais jovens. American Journal of Public Health. 2004; 94:1200-1203.

Marques TM, CMFD. Atribuição de causalidade e reações de mulheres que passaram por episódios de violência conjugal. Temas psicol. 2010; 18 (1): 205-218.

BRASIL, MS. Secretaria de Direitos Humanos. Relatório sobre violência homofóbica no Brasil: ano de 2012. Brasília, 2012. 98p.

Garcia, MRV. Alguns aspectos da construção do gênero entre travestis de baixa renda. Psicologia USP. 2009. 20(4), 597-618.

KING, M et al. A systematic review of mental disorder, suicide and deliberate self-harm in lesbian, gay and bisexual people. BMC Psychiatry. 2008; 8(70), 1.333-1.345.

Wong CF, Weiss G, Ayala G, Kipke, MD. Harassment, Discrimination, Violence and Illicit Drug Use among Young Men Who Have Sex with Men. AIDS Education and Prevention: Official Publication of the International Society for AIDS Education. 2010; 22(4), 286–298.

O’Donnell S, Meyer IH, Schwartz S. Increased Risk of Suicide Attempts Among Black and Latino Lesbians, Gay Men, and Bisexuals. American Journal of Public Health. 2011; 101(6), 1055–1059.

Moody C, Smith NG. Suicide Protective Factors Among Trans Adults. Archives of Sexual Behavior. 2013; 42(5), 739–752.

Cardoso MR; Ferro, LF. Saúde e população LGBT: demandas e especificidades em questão. Psicologia: Ciência e Profissão. 2012; 32 (3), 552-563.

Ryan C, Huebner D, Diaz RM, Sanchez J. Family rejection as a predictor of negative health outcomes in white and Latino lesbian, gay, and bisexual young adults. Pediatrics. v. 123, n. 1, p. 346-52, jan. 2009.

Hatzenbuehler ML. How Does Sexual Minority Stigma “Get Under the Skin”? A Psychological Mediation Framework. Psychological Bulletin. 2009; 135(5), 707–730.

Hatzenbuehler ML, McLaughlin KA, Nolen-Hoeksema S. Emotion regulation and internalizing symptoms in a longitudinal study of sexual minority and heterosexual adolescents. Journal of Child Psychology and Psychiatry, and Allied Disciplines. 2008; 49(12), 1270–1278.

Nyamathi, A, Branson CM, Idemundia FE, Reback CJ, Shoptaw S, Marfisee M, Yadav K. Correlates of Depressed Mood among Young Stimulant-Using Homeless Gay and Bisexual Men. Issues in Mental Health Nursing. 2012; 33(10), 641–649.

Chakraborty A, McManus S, Brugha TR, Bebbington P, Kin M. Mental health of the non-heterosexual population of England. The British Journal of Psychiatry Jan 2011, 198 (2) 143-148;

Teixeira-Filho FS, Rondini CA. Ideações e tentativas de suicídio em adolescentes com práticas sexuais hetero e homoeróticas. Saude soc. 2012; 21(3): 651-667.

Coelho CLS, Ávila LA. Controvérsias sobre a somatização. Rev. Psiq. Clín. 2007; 34 (6); 278-284.

Galego JCB. Cefaléia crônica diária: Classificação, estresse e impacto sobre a qualidade de vida. (Unpublished doctoral dissertation). Faculdade de Medicina de São José do Rio Preto, São José do Rio Preto, 2006.

Cathcart, S., Winefield, A.H., Lushington, K., & Rolan, P. Stress and tension-type headache mechanisms. Cephalalgia. 2010; 30(10), 1250-1267.

American Pyschiatric Association (APA). Patrice guideline for treatment of patient wait eating disorders. American J. Pyschiatric. 2002.

Melin P, Araújo AM. Transtornos alimentares em homens: um desafio diagnóstico. Rev. Bras. Psiquiatr. 2002; 24(3):73-6.

Andersen AE. Eating disorders in gay males. Psychiatric Annals. 1999; 29: 206-12.

Publicado

2018-09-06

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS