Psicologia e a despatologização da transexualidade

Autores

  • Francisco André da Silva Centro Universitário de João Pessoa-UNIPE
  • Ivana Suely Paiva Bezerra de Mello Centro Universitário de João Pessoa-Unipê

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v11i1.1924

Palavras-chave:

Transexualidade, Despatologização, Psicólogos.

Resumo

A transexualidade é um fenômeno complexo e universal, ocorrendo em várias épocas e lugares diferentes na história da civilização. Na atualidade é definida como o desejo persistente de viver e ser aceito como uma pessoa do sexo oposto. Esses indivíduos podem apresentar desconforto psicológico por causa de seu sexo biológico e almejam submeter-se a cirurgias ou tratamentos hormonais para redefinirem seus corpos. O objetivo geral deste estudo foi conhecer as opiniões dos psicólogos sobre o processo de despatologização da transexualidade. A mesma foi realizada através de uma pesquisa de campo, descritiva, de natureza qualitativa e quantitativa com amostra composta por nove psicólogos clínicos de três abordagens distintas: psicanálise, cognitivo-comportamental e humanista-existencial, com mais de 10 anos de atuação. Para alcançar os objetivos propostos foram utilizados dois instrumentos: 1) questionário sócio demográfico. 2) entrevista semi-estruturada elaborado especificamente para este trabalho. Os dados coletados pelas entrevistas foram analisados pela técnica de Análise de Conteúdo Temática. Os resultados apontaram que todos os entrevistados são favoráveis ao processo de despatologização dessas identidades. Todavia, esses profissionais compreendem a experiência transexual de três formas diferentes: cientifica, vitimizadora e senso comum. Apenas uma psicóloga entrevistada atendeu transgêneros. No entanto, expressaram preparação técnica ou disponibilidade para o acompanhamento psicológico dessa população. E sobre as propostas para despatologização emitiram uma sugestão clínica e outra sociocultural. Conclui-se que o conhecimento sobre a transexualidade está em construção, devido aos entrevistados ainda confundirem os conceitos de orientação sexual e identidade de gênero.

Biografia do Autor

Francisco André da Silva, Centro Universitário de João Pessoa-UNIPE

Graduado em Psicologia pelo Centro Universitário de João Pessoa - Unipê (2015.2). Cursando o Programa de Pós-Graduação: Especialização em Psicologia Humanista e Abordagem Centrada na Pessoa pelo Unipê (2016-2017). Psicoterapeuta de crianças, adolescentes e adultos. Têm interesse nas áreas da Psicologia Clínica, Psicologia Social e da Saúde, Estudos de Gêneros e Sexualidade Humana.

Ivana Suely Paiva Bezerra de Mello, Centro Universitário de João Pessoa-Unipê

Graduada em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (1982). Cursou a Universidade de Harvard no período de 1988 a 1989, onde participou de um programa de Extensão em Atendimento de crianças e adolescentes. Mestra em Psicologia Clínica pela Universidade Católica do Pernambuco (2002). Atualmente professora e supervisora de Psicologia Jurídica do Centro Universitário de João Pessoa-UNIPÊ. João Pessoa-PB, Brasil.

Referências

Camino L. Prefácio. In: Fleury ARD, Torres ARR. Homossexualidade e Preconceito. Curitiba: Juruá; 2010. p.11-13.

Conselho Federal de Psicologia. Resolução nº 01/1999: Estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação à questão da orientação sexual. Brasília, 22 mar. 1999 [acesso em 12 jan. 2015]. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/1999/03/resolucao1999_1.pdf

Ávila S, Grossi MP. Transexualidade e Movimento Transgênero na Perspectiva da Diáspora Qeer. Trabalho apresentado no V Congresso da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura; 2010; Natal.

Davies D. Sexual Orietation. Pink Therapy, 7 jun. 2012 [acesso em 19 jan 2015]. Disponível em: http://www.pinktherapy.com/portals/0/downloadables/translations/gb_sexualorientation.pdf

Conselho Federal de Psicologia. Resolução nº 014/11: Estabelece o uso do nome social para psicólogos (as) travestis e transexuais. Brasília, 28 jun. 2011 [acesso em 20 jan. 2015]. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2011/06/resolucao2011_014.pdf

Conselho Federal de Psicologia. Nota técnica sobre processo transexualizador e demais formas de assistência às pessoas trans. Brasília, 4 set. 2013 [acesso em 4 mar. 2015]. Disponível em: http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2013/09/Nota-t%C3%A9cnica-processo-Trans.pdf

Grupo Gay da Bahia. Assassinatos de homossexuais (LGBT) no Brasil: Relatório. 2014 [acesso em 28 fev. 2015]. Disponível em: https://homofobiamata.files.wordpress.com/2015/01/relatc3b3rio-2014s.pdf

Picazio C. Diferentes Desejos. São Paulo: GLS; 1998.

Levounis P, Drescher J, Barber ME, orgs. O Livro de Casos Clínicos GLBT. Porto Alegre: Artmed; 2014.

Organização Mundial de Saúde. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID-10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas; 1993.

Silva GM. Travestis Transexuais e Empoderamento: Vivencias no processo educativo e psicológico no Centro de Referencia dos Direitos de LGBT e combate á homofobia do estado da Paraíba. In: Gomes JC, org. Entrelaçando Saberes: compartilhando experiências em educação. João Pessoa: Ideia; 2014. p. 181-194.

Giongo CR, Menegotto LMO, Petters S. Travestis e transexuais profissionais do sexo: implicações da Psicologia. Psicol. Ciênc. Prof. 2012;32(4):1000-13.

American Psychiatric Association. Diagnostic and statistical manual of mental diseases. 5. ed. Washington: APA; 2013.

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1482/97: Dispõe sobre o procedimento de transgenitalização e demais intervenções sobre gônadas e caracteres sexuais secundários. Brasília, 10 set. 1997 [acesso em 20 mar. 2015]. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/1997/1482_1997.htm

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.652/2002: Dispõe sobre a cirurgia de transgenitalização e revoga a Resolução nº 1.482/1997. Brasília, 6 nov. 2002 [acesso em 20 mar. 2015]. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2002/1652_2002.htm

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

Conselho Federal de Medicina. Resolução nº 1.955/2010: Dispõe sobre a cirurgia de transgenitalismo e revoga a Resolução CFM nº 1.652/02. Brasília, 12 ago. 2010 [acesso em 22 mar. 2015]. Disponível em: http://www.portalmedico.org.br/resolucoes/CFM/2010/1955_2010.htm

Foucault M. História da sexualidade a vontade de saber. v. I. 16. ed. Rio de Janeiro: Gral; 2005.

Beauvoir S. O Segundo Sexo: a experiência vivida. Rio de Janeiro: Nova Fronteira; 1949/ 2009.p.9.

Butler J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira; 2003.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2010.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466/2012. Brasília, 12 dez. 2012 [acesso em 22 mar. 2015]. Disponível em: http://www.conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf

Ribeiro JP. Psicoterapia: teorias e técnicas psicoterápicas. 2. ed. São Paulo: Summus; 2013.

Rudio FV. Orientação Não-Diretiva: na educação, no aconselhamento e na psicoterapia. 14. ed. São Paulo: Vozes; 2003.

Pinto MJC, Brus MAT. Vivência Transexual: o corpo revela seu drama. Campina: Átomo; 2003.

Saadeh, A. Transtorno de Identidade Sexual: um estudo psicopatológico de transexualismo feminino e masculino. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2004.

Freud S. Um caso de histeria: Três ensaios sobre a teoria da sexualidade e outros trabalhos (1901-1905). Edição Standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud. v. 7. Rio de Janeiro: Imago; 2006.

Lionço T. Um olhar sobre a transexualidade a partir da perspectiva da tensionalidade somato-psíquica. [Tese]. Brasília: Universidade de Brasília; 2006.

Publicado

2017-11-13