Avaliação das capacidades de vigilância do Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Brasil

Autores

  • Melina Érica Santos
  • José Fernando de Souza Verani
  • Vitor Laerte Pinto Junior
  • Wildo Navegantes de Araújo

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i2.1853

Palavras-chave:

Vigilância Epidemiológica. Notificação. Emergências. Saúde Pública.

Resumo

O Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde (CIEVS/MS) foi institucionalizado no contexto do Regulamento Sanitário Internacional (RSI) como a estratégia de vigilância das emergências em saúde pública, a fim de desenvolver os processos de detecção, avaliação e notificação das potenciais emergências em saúde pública de importância nacional e internacional, na representação do Ponto Focal Nacional do Brasil para o RSI. O objetivo deste artigo é avaliar as capacidades de vigilância das emergências em saúde pública pelo CIEVS/MS. O método utilizado foi a pesquisa avaliativa com a aplicação do modelo lógico, segundo o qual foram estruturados os indicadores para avaliar os processos de trabalho do CIEVS/MS, considerando os aspectos político, técnico e organizacional, nos componentes de detecção, avaliação e notificação. A classificação das capacidades de vigilância do CIEVS/MS foi parcialmente adequada, identificando potencialidades e fragilidades da estratégia. O modelo lógico revelou-se como método importante para avaliação do serviço de vigilância em saúde. Dessa forma, recomenda-se que os processos de trabalho do CIEVS/MS sejam sistematizados e fortalecidos para a adequada vigilância das emergências em saúde pública no Brasil.

Referências

Waldman EA. Vigilância como prática de saúde pública. In: Campos GWS et al, org. Tratado de saúde coletiva. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2006. p. 487-528.

Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Guia de vigilância em saúde. 1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

World Health Organization. International Health Regulations (2005). 2nd ed. Geneve: WHO, 2008.

Carmo EH. O Regulamento Sanitário Internacional e as oportunidades para fortalecimento do sistema de vigilância em saúde. Recife, PE: Portal DSS Nordeste; 2013 [acesso em 22 jun 2016]. Disponível em: http://dssbr.org/site/opinioes/o-regulamento-sanitario-internacional-e-as-oportunidades-para-fortalecimento-do-sistema-de-vigilancia-em-saude/.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.865, de 10 de agosto de 2006. Estabelece a Secretaria de Vigilância em Saúde para o Regulamento Sanitário Internacional (2005) junto à Organização Mundial de Saúde. Diário Oficial da União 11 ago 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Portaria n° 30, de 7 de julho de 2005. Institui o Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde, define suas atribuições, composição e coordenação. Diário Oficial da União 7 jul 2005.

World Health Organization. Western Pacific Region. A Guide to Establishing Event-based Surveillance. Genebra: WHO; 2008 [acesso em 22 jun 2016]. Disponível em: http://www.wpro.who.int/emerging_diseases/documents/docs/eventbasedsurv.pdf.

Brasil. Presidência da República. Casa Civil. Decreto nº 7.616, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a declaração de Emergência em Saúde Pública de Importância Nacional – ESPIN e institui a Força Nacional do Sistema Único de Saúde – FN-SUS. Diário Oficial da União 18 nov 2011.

Carmo EH, Penna G, Oliveira WK. Emergências de saúde pública: conceito, caracterização, preparação e resposta. Estudos avançados 2008; 22(64):19-32.

Contandriopoulos AP et al. A avaliação na área da saúde: conceitos e métodos. In: Hartz ZMA, org. Avaliação em Saúde. Dos modelos conceituais à prática na análise de implantação de programas. Rio de Janeiro: Ed. Fiocruz, 1999. p. 29-47.

Centers for Disease Control and Prevention. Framework for program evaluation in public health. MMWR 1999 [acesso em 22 jun 2016];48(RR11):1-40. Disponível em: https://www.cdc.gov/mmwr/PDF/rr/rr4811.pdf.

Centers for Disease Control and Prevention. Updated Guidelines for Evaluating Public Health Surveillance Systems. MMWR 2001 [acesso em 22 jun 2016];50(RR13):1-35. Disponível em: http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5013a1.htm.

Paquet C, Coulombier D, Kaiser R, Ciotti M. Epidemic intelligence: a new framework for strengthening disease surveillance in Europe. Euro Surveill. 2006 [acesso em 22 jun 2016];11(12):pii=665. Disponível em: http://www.eurosurveillance.org/ViewArticle.aspx?ArticleId=665.

World Health Organization. WHO Technical consultation on event-based surveillance. Meeting report. Genebra: WHO, 2013 [acesso em 22 jun 2016]. Disponível em: http://www.episouthnetwork.org/sites/default/files/meeting_report_ebs_march_2013_final.pdf.

World Health Organization. Early detection, assessment and response to acute public health events: Implementation of Early Warning and Response with a focus on Event-Based Surveillance. Genebra: WHO, 2014 [acesso em 22 jun 2016]. Disponível em: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/112667/1/WHO_HSE_GCR_LYO_2014.4_eng.pdf.

Severi E, Kitching A, Crook PD. Evaluation of the Health Protection Event-Based Surveillance for the London 2012 Olympic and Paralympic Games. Euro Surveill. 2014 [acesso em 22 jun 2016]; 19(24):pii=20832. Disponível em: http://www.eurosurveillance.org/ViewArticle.aspx?ArticleId=20832.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.139, de 10 de junho de 2013. Define, no âmbito do Sistema único de Saúde (SUS), as responsabilidades das esferas de gestão e estabelece as Diretrizes Nacionais para Planejamento, Execução e Avaliação das Ações de Vigilância e Assistência à Saúde em Eventos de Massa. Diário Oficial da União 11 jun 2013; Seção1, p. 22-24.

Publicado

2016-07-07