O atendimento terapêutico às vitimas de violência sexual no município de São José dos Pinhais: Experiência de implantação do ambulatório sentinela.

Autores

  • Soeli Andrea Guralh Friedrich Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Pinhais.

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1825

Palavras-chave:

Saúde Pública. Violência Sexual. Políticas Públicas

Resumo

As reflexões do presente artigo tratam de uma importante demanda de saúde pública na atualidade, o atendimento e acompanhamento às vitimas de violência sexual. Objetiva discorrer sobre a implantação do Ambulatório Sentinela, no Município de São José dos Pinhais, como alternativa de atendimento terapêutico às vitimas de violência sexual, bem como, dos agravos decorrentes desta violência. O estudo parte da contextualização dos indicadores da proporção de casos, dos conceitos necessários à compreensão da temática, articulada às diretrizes de atendimento presentes na legislação recente. Na sequencia, é apresentada uma caracterização do Ambulatório, elencando também as alternativas e desafios que se colocam aos profissionais que realizam os atendimentos. Na esfera dos procedimentos metodológicos fez-se uso de pesquisa bibliográfica, estudo de fontes documentais e observação da dinâmica institucional. A principal constatação evidenciada pela pesquisa é de que a implantação de um serviço específico de atendimento às pessoas em situação de violência sexual promove a agilidade das ações de saúde ao centralizá-las em um único espaço, maior vinculação dos pacientes ao serviço, reduzindo a exposição e o constrangimento, além de servir de referência aos demais equipamentos da rede.

Biografia do Autor

Soeli Andrea Guralh Friedrich, Secretaria Municipal de Saúde de São José dos Pinhais.

Assistente Social. Mestre em Ciências Sociais Aplicadas. Especialista em Saúde Pública com Ênfase em Saúde da Família.

Referências

MINAYO, M.C.S e SOUZA, E.R. É possível prevenir a violência? Reflexões a partir do campo da Saúde Pública. Ciência e Saúde Coletiva. 4(1): 7-32, 1999.

KRUG. E.G.et.al. World Report on Violence and Health. Geneva. Word Hearth Organization, 2002.

PARANÁ. Secretaria de Estado da Saúde do Paraná. Caderno temático de vigilância de violências e acidentes no Paraná. – Curitiba: SESA/SVS, 2014.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Atenção integral para mulheres e adolescentes em situação de violência doméstica e sexual: matriz pedagógica para a formação de redes. 1. Ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011.

SÃO JOSÉ DOS PINHAIS. Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente. Plano de Ação - 2013. Disponível em: http://conselhos.sjp.pr.gov.br/. Acesso em 29.jul.2015.

AGÊNCIA BRASIL. Medo de represália leva profissionais de saúde a deixar de denunciar casos suspeitos de violência contra crianças. Disponível em: http://www.ebc.com.br/noticias/saude/2013/03/medo-de-represalia-leva-profissionais-de-saude-a-deixar-de-denunciar-casos. Acesso em 05.ago.2015

LIMA, T.C.S e MIOTO, R.C.T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista Katálysis, vol.10. Florianópolis, 2007.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 12015 de 7 de agosto de 2009. Altera o titulo VI da parte Especial do decreto Lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940 – Código Penal, e o art.1º da Lei nº8072, de 25 de julho de 1990, que dispõe sobre os crimes hediondos, nos termos do inciso XLIII do art. 5º da Constituição Federal e revoga a Lei nº 2.252, de 1º de julho de 1954, que trata da corrupção de menores. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L12015.htm. Acesso em: 25 jul. 2015

MALLAK, l.S. e VASCONCELOS, M G.(ORG).Compreendendo a violência sexual em uma perspectiva multidisciplinar- São Paulo: fundação Orsa Criança e vida, 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Política nacional de redução da morbimortalidade por acidentes e violências. 2. Ed. Brasília: editora do Ministério da Saúde, 2005.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10778, de 24 de novembro de 2003. Estabelece a notificação compulsória, no território nacional, do caso de violência contra a mulher que for atendida nos serviços de saúde públicos ou privados. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L10778.htm Acesso em 29.jul.2015.

CURITIBA. Secretaria Municipal de Saúde. Protocolo da Rede Proteção a Criança e ao Adolescente em situação de risco para a violência. 3 Ed. ver. E atual- Curitiba, 2008.

BRASIL. LEI 8069, de 13 de Julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L8069.htm. Acesso em 02 ago.2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria Nº 936, de 19 de maio de 2004. Dispõe sobre a estruturação da Rede Nacional de Prevenção da Violência e Promoção da Saúde e a Implantação e Implementação de Núcleos de Prevenção à Violência em Estados e Municípios. Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2004/prt0936_19_05_2004.html. Acesso em 29.jul.2015.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 7958, de 13 de março de 2013. Estabelece diretrizes para o atendimento às vítimas de violência sexual pelos profissionais de segurança pública e da rede de atendimento do Sistema Único de Saúde. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/DECRETO/D7958.htm. Acesso em: 22 jul. 2015.

BRASIL. Presidência da República. Lei Nº 12.845, de 1º de agosto de 2013. Dispõe sobre o atendimento obrigatório e integral de pessoas em situação de violência sexual.

Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L12845.htm. Acesso em: 22 jul. 2015.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Portaria 485, de 1º de abril de 2014. Redefine o funcionamento do Serviço de Atenção às Pessoas em Situação de Violência Sexual no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Disponível em http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2014/prt0485_01_04_2014.html.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretaria de Atenção à Saúde. Prevenção e tratamento dos agravos resultantes da violência sexual contra mulheres e adolescentes: norma técnica. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. 2. Ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.

DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO PRIMRIA E ESPECIALIZADA À SAÚDE. Diretrizes de atendimento. Documento impresso. Secretaria Municipal de Saúde, São José dos Pinhais, 2015.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Aspectos jurídicos do atendimento às vitimas de violência sexual: perguntas e respostas para profissionais de saúde. 2. Ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2011. 48p.

ARAÚJO, Maria de Fátima. Violência e abuso sexual na família. Revista Psicologia em Estudo. Maringá, v.7, n 02 jul./dez. 2002.

Downloads

Publicado

2016-05-20

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS