Bases metodológicas da formação em Fisioterapia: discutindo o distanciamento entre os processos de formação e a utilização da força de trabalho

Autores

  • Daniela Macêdo Pimentel
  • Cesar Cavalcanti da Silva
  • Eufrásio de Andrade Lima Neto

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1771

Palavras-chave:

educação superior, fisioterapia, gestão em saúde, atenção básica, tomada de decisões

Resumo

A partir das bases metodológicas que subjazem ao processo formativo em Fisioterapia e considerando as atribuições do fisioterapeuta nos Núcleos de Apoio à Saúde da Família (NASFs), buscou-se identificar os pontos de distanciamento entre a formação e a utilização da força de trabalho do fisioterapeuta na atenção básica à saúde em João Pessoa/PB. O estudo justificou-se pela necessidade de aprimorar os processos de formação em Fisioterapia, de modo a compatibilizá-los com os requerimentos de sua prática profissional, particularmente no nível primário de atenção à saúde. Trata-se de um estudo exploratório-descritivo e inferencial com abordagens quantitativas. Os dados foram analisados a partir do Teste de Hipótese, utilizado como método de tomada de decisão. A análise dos dados revelou, com evidências estatísticas, distanciamentos entre o que afirmam estudantes e professores, no processo de formação do fisioterapeuta nas instituições de ensino superior pesquisadas, bem como divergências entre o que atestam fisioterapeutas e gestores em relação ao processo de trabalho nos NASFs dos Distritos Sanitários do município. Concluiu-se ser necessária uma reformulação das bases metodológicas que compõem os planos de ensino relacionados à Saúde Coletiva nas instituições que oferecem o curso de Fisioterapia em João Pessoa, bem como uma melhor utilização da força de trabalho do fisioterapeuta junto aos NASFs, visando a uma redefinição das práticas deste profissional nos espaços da atenção básica à saúde.

Publicado

2016-07-07