Determinantes socioambientais e saúde: O Brasil rural versus o Brasil urbano.

Autores

  • Rackynelly Alves Sarmento Subeditora Executiva - Universidade Federal da Paraíba
  • Ronei Marcos Moraes Universidade Federal da Paraíba
  • Rodrigo Toledo Pinheiro de Viana Universidade Federal da Paraíba
  • Vanira Matos Pessoa Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)
  • Fernando Ferreira Carneiro Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)

DOI:

https://doi.org/10.18569/tempus.v9i2.1718

Palavras-chave:

População rural, Fatores Socioeconômicos, Epidemiologia, Saúde Coletiva.

Resumo

A população rural vive em condições de desigualdade socioeconômica, motivadas por vários problemas entre eles a insuficiência de sistemas de esgoto e abastecimento de água. Por vezes os maiores responsáveis pelo surgimento de doenças de veiculação hídrica, que contribuem para a elevação da mortalidade infantil além de outros problemas. As áreas rurais do Brasil são definidas por oposição e exclusão às áreas urbanas. Essa definição é arbitrária e físico-geográfica, não considerando os processos sociais e econômicos que envolvem os territórios. Esse estudo objetivou verificar por meio de aspectos sociodemográficos, saneamento ambiental e principais agravos/doenças de importância para saúde pública da população do campo da floresta e das águas se os municípios mais rurais (MMR) são mais precários que os mais urbanos (MMU). Para tanto realizou-se um estudo descritivo baseado em fontes secundárias (Atlas de Desenvolvimento Humano no Brasil, censos do IBGE, PNAD e do Sinan). Entre os resultados tem-se que a população rural identificada pelo IBGE resume-se a 15,6% da população do Brasil. Em 29% dos municípios a população residente em área rural supera o urbano. As maiores frequências de IDMH muito baixo estão para os MMR, enquanto as maiores frequências de IDMH muito alto e alto estão para os MMU. Na área da saúde os MMR também apresentam deficiência. Observou-se altas taxas de incidência doenças relacionadas às condições deficitárias de saneamento básico. A partir destes resultados identificou-se um perfil de saúde mais precário nos MMR quando comparadas aos MMU.

Biografia do Autor

Rackynelly Alves Sarmento, Subeditora Executiva - Universidade Federal da Paraíba

Universidade Federal da Paraíba

Ronei Marcos Moraes, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Estatística Universidade Federal da Paraíba

Rodrigo Toledo Pinheiro de Viana, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Nutrição Universidade Federal da Paraíba

Vanira Matos Pessoa, Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)

Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)

Fernando Ferreira Carneiro, Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)

Fundação Osvaldo Cruz (FIOCRUZ)

Referências

FAO. Food and agriculture organization of the United Nations. Rural poverty in Brazil. Disponível em: www.ruralpovertyportal.org/country/home/tags/brazil Acesso em 22 de set 2013.

BRASIL, Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Política Nacional de Saúde Integral das Populações do Campo e da Floresta. 1 ed.; Brasília: Editora do

Ministério da Saúde, 2013.

Miranda C, Silva H. (Org) Concepções da Ruralidade Contemporâneas: singularidades brasileiras. Brasília IICA, 2013. 476p.

Triola MF. Introdução à estatística. 10.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 696 p.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais. SPRING. Tutorial de geoprocessamento. Análise e consulta espacial. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/spring/teoria/aula9.pdf>

Acesso em: 15 mar. 2014.

IBGE. Censo Demográfico 2010 - Resultados do universo. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 20 ago. 2013.

Stropasolas VL. Trabalho infantil no campo: do problema social ao objeto sociológico. Revista Latino-americana de Estudos do Trabalho, Ano 17 2012;27:249-286.

Rioja LA, et al. La población rural de España: de los desequilibrios a la sostenibilidad social. Barcelona: Fundación La Caixa, 2009. (Colección Estudios Sociales n. 27). Disponível

em: <http://www.laCaixa.es/ObraSocial>. Acesso em: 15 set. 2013.

Froehlich JM, Rauber CC, Carpes RH, Toebe M. Êxodo seletivo, masculinização e envelhecimento da população rural na região central do RS. Ciência Rural, Santa Maria, v.41, n.9,

p.1674-1680, set. 2011.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2010. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/download/ Acesso em: 15 set. 2013.

FGV. Fundação Getúlio Vargas. Panorama de Decomposição da Renda em Diferentes Fontes - PNAD 1992 – 2009. Disponível em: http://www.cps.fgv.br/cps/campo/ Acesso em:

fev. 2014

PNAD. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/trabalhoerendimento/pnad2011/ Acesso em: 09

de set. de 2013

IDB. Indicadores e dados básicos de 2012. Indicador de Morbidade. Índice parasitário anual (IPA) de malária [Acessado em 07 de jan. 2014]. Disponível em: http://

tabnet.datasus.gov.br/cgi/idb2012/matriz.htm#cober

FIOCRUZ. Fundação Osvaldo Cruz. Doenças Negligenciadas. Disponível em: <http://www.agencia.fiocruz.br/doen%C3%A7as-negligenciadas> Acesso em: 06 fev. 2014

Downloads

Publicado

2015-10-28

Edição

Seção

ARTIGOS ORIGINAIS