Avaliação dos estudantes do Pró-PET - Saúde sobre as contribuições do Programa Pró-Saúde nos cursos de saúde Campus Darcy Ribeiro – Universidade de Brasília.

Autores

  • Denise Lima Costa Furlanetto Professora colaboradora da Universidade de Brasilia.
  • Adriano de Almeida de Lima Universidade de Brasilia
  • Jetro Williams Silva Júnior Possui graduação em Gestão de Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília
  • Mábia Milhomem Bastos Graduada em Saúde Coletiva pela Universidade de Brasília (UnB), foi estudante bolsista de Apoio Técnico e aluna do Programa de Iniciação Científica da UnB. Atualmente é estudante de mestrado do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical - UnB.
  • Diana Lúcia Moura Pinho

Palavras-chave:

Educação superior, Educação Profissional em Saúde Pública, Política de Educação Superior

Resumo

A Universidade de Brasília (UnB) e a Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal (SES-DF)participam do Programa Pró-Saúde, desde 2007, que é um programa de indução da formação de profissionais de saúde que visa ofertar uma abordagem abrangente sobre o processo saúde-doença com ênfase na atenção primária, a fim de promover transformações no processo de ensino-aprendizagem e, consequentemente, mudanças na qualidade dos serviços. Os efeitos na mudança da formação e incorporação dessa visão precisam ser constantemente avaliados. O objetivo deste estudo foi analisar a percepção de estudantes bolsistas sobre os alcances doPró-Saúde sobre os cursos da área de saúde do Campus Darcy Ribeiro da UnB. O estudo foi uma pesquisa quantitativa, transversal e de caráterdescritivo. Foi aplicado um instrumento para a análise da reorientação daformação em cursos da área da saúde, dividido em duas seções: dados sociodemográficos e percepção sobre componentes do Pró-Saúde (dimensão teórica; cenários de práticas; reorientação da formação; dimensão pedagógica). Os 50 estudantes bolsistas (62,5% dos bolsistas) apresentaram os seguintes resultados: faixa etária entre 21 e 25 anos (68%); sexo feminino (72%); graduando em Enfermagem (32%), Medicina (26%), Odontologia (12%) e de outros (30%); no programa há mais de 12 meses (69,4%); frequência mensal de reuniões de equipe (44%); 90% disseram que poucas ou nenhuma disciplina oportuniza vivência semelhante à do Pró-Saúde; na dimensão teórica, observou-se valores com pequena tendência neutra (0,04); em cenário de práticas observou-se tendência positiva (0,6); assim como a reorientação da formação (0,82); na dimensão pedagógica, tendência neutra (0,19).O Pró-Saúde demonstrou ter trazido suas contribuições aos participantes mais envolvidos no Programa.

Biografia do Autor

Denise Lima Costa Furlanetto, Professora colaboradora da Universidade de Brasilia.

Mestre em Dental Public Health - University of Dundee UK (2003)

Adriano de Almeida de Lima, Universidade de Brasilia

Possui graduação em Odontologia na Faculdade de Odontologia de Piracicaba da Universidade Estadual de Campinas; Mestrado em Materiais Dentários pela Universidade Estadual de Campinas e Doutorado em Clínica Odontológica - Área de concentração em Dentística pela Universidade Estadual de Campinas (2001). Atualmente é Professor Adjunto da Universidade de Brasília - UnB, no departamento de Odontologia.

Diana Lúcia Moura Pinho

Graduada em Enfermagem pela Universidade Católica do Salvador (1976), mestre em Educação pela Universidade de Brasília (1994) e doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília (2002), na área de Ergonomia. Professora Adjunta da Universidade de Brasilia, atua na graduação em enfermagem e na pós graduação nos Programas de Pós Graduação em Enfermagem da Faculdade de Ciencias da Saúde/PPGENF e no Programa de Pós Graduação em Ciências e Tecnologia em Saúde/PPGCTS do Campus UnB Ceilândia, da Universidade de Brasilia.

Referências

Ceccim RB. Inovação na preparação de profissionais de saúde e a novidade da graduação em saúde coletiva. Boletim da saúde. Porto Alegre. 2002;16(1):9-38.

Brasil. Ministério da Saúde, Brasil. Ministério da Educação. Portaria nº 2.101 denovembro de 2005. Institui o Pró-Saúde: Programa Nacional de Reorientação daFormação Profissional em Saúde. Brasília. Diário Oficial [da] República Federativado Brasil. 2005 nov. 16; Seção 3. p. 62.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria conjunta nº 10 de 14 de dezembro de 2010. Homologa o resultado do processo de seleção dos Projetos que se candidataram aoPrograma de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Brasília. Diário Oficial [da]República Federativa do Brasil. 2011 dez. 1; Seção 1. p. 98.

Furlanetto DLC, Silva Junior JW, Bastos MM, Lima AA, Pinho DLM. Atitudes de Estudantes e Professores de Odontologia sobre a Reorientação na Formação Profissional. Arquivos de Ciências da Saúde (FAMERP).2014;21:68-77.

Ceccim RB, Bilibio LFS. In: Br MS. Observatório de recursos humanos em saúde noBrasil: estudos e análises. Observação da educação dos profissionais da saúde:evidências à articulação entre gestores, formadores e estudantes. 2002. p. 343-372.

Haddad AE, Morita MC, Pierantoni CR, Brenelli SL, Passarella T, Campos FE. Undergraduate programs for health professionals in Brazil. Revista de Saúde Pública.2010;44(3):383-393.

Brasil. Relatório de Gestão 2008-2010 da Universidade Aberta do Sistema Único de Saúde. Brasília, DF, Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde, Ministério da Saúde. 2010.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 1.507 de 22 de junho de 2007. Institui oPrograma de Educação pelo Trabalho para a Saúde. Brasília. Diário Oficial [da]República Federativa do Brasil. 2008 jan. 14; Seção 1. p. 37.

Arrais PSD, Aguiar ASW, Souza MAN, Machado MMT, Mota MV, Alves RS, Araújo MFM. Comprehensiveness: a pedagogical challenge for the Educational Program forHealth Work. Revista Brasileira de Educação Médica. 2012;36(1-2):56-61.

Leal JAL, Melo CMM, Veloso RBP, Juliano IA.Novos espaços de reorientação para formação em saúde: vivências de estudantes. Interface.2015;19(53):361-371.

Downloads

Publicado

2015-08-29