//www.tempus.unb.br/index.php/tempus/issue/feed Tempus – Actas de Saúde Coletiva 2022-11-14T20:21:09+00:00 Profa. Dra. Elmira Simeão elmirasimeao@gmail.com Open Journal Systems <p><strong>Tempus – Actas de Saúde Coletiva</strong></p> <p><strong>ISSN 1982-8829</strong></p> //www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/3081 Processo de trabalho de enfermeiros da Atenção Primária à Saúde do Paraná na pandemia da COVID-19: 2022-11-14T20:21:09+00:00 Bárbara Isabella Orth barbara_orth@hotmail.com Beatriz Rosana Gonçalves de Oliveira Toso beatriz.oliveira@unioeste.br Daniela Savi Geremia daniela.savi.geremia@gmail.com Ana Valéria Machado Mendonça valeriamendonca@gmail.com Maria Fátima de Souza mariafatimasouza09@gmail.com <p>As Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC) são ferramentas indispensáveis para a comunicação nos dias de hoje. Com o estabelecimento da pandemia da COVID-19, os serviços, profissionais da saúde e a população tiveram que se adaptar às novas políticas de saúde e o uso das TICs teve destaque no combate à pandemia. Assim, o estudo objetiva analisar as percepções de enfermeiros na Atenção Primária à Saúde (APS) sobre o uso de TICs no enfrentamento da pandemia da COVID-19. O estudo integra pesquisa multicêntrica nacional de método misto. A coleta de dados ocorreu por meio de entrevistas online gravadas, com formulários estruturados, entre outubro de 2020 e maio de 2021. Para este estudo, apresentam-se os dados qualitativos da pesquisa matricial referentes ao processo de trabalho do enfermeiro nas unidades de saúde, em treze municípios do Estado do Paraná, com a participação de 74 enfermeiros na etapa qualitativa. A análise dos dados seguiu as premissas da análise temática. As TIC se mostraram cada vez mais indispensáveis na rotina da população. Com a chegada da pandemia da COVID-19 seu uso foi intensificado e, apesar de ainda necessitar de adaptações e revisões acerca do seu uso, os enfermeiros demonstraram que as TICs foram importantes para o acolhimento, monitoramento, vínculo e continuidade do cuidado aos usuários da APS.</p> Copyright (c) //www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/3078 FATORES ASSOCIADOS À SAÚDE MENTAL, SONO E OCUPAÇÃO HUMANA DURANTE A PANDEMIA DO COVID-19 NO BRASIL 2022-10-20T23:35:24+00:00 Andre Eduardo Mei andremei.to@gmail.com Eliana Chaves Ferretti chavesferretti@gmail.com Priscila Maria Stolses Bergamo Francisco primaria@fcm.unicamp.br Paulo Afonso Mei drkult@gmail.com <p style="font-weight: 400;">O objetivo do estudo foi verificar associações entre ansiedade, depressão e alteração do sono com fatores ligados à rotina de trabalho, prática de atividade física e de lazer, participação social e Atividades Instrumentais da Vida Diária (AIVD).Estudo transversal com adultos (18 a 79 anos; n=2.695) que participaram da pesquisa <em>Avaliação Online de Depressão, Ansiedade Generalizada e Transtornos do Sono durante a Pandemia de Coronavírus SARS-CoV-2</em> e responderam questionário eletrônico entre abril e maio de 2020. Com relação à saúde mental, 56,5% apresentaram episódios de ansiedade, 46,1% de depressão e 64,5% tiveram alterações do sono. Observaram-se associações estatisticamente significativas entre episódios de ansiedade e de depressão, e rotina de trabalho (p&lt;0,05). Esses problemas, assim como alteração do sono, também estiveram associados ao tempo dedicado à atividade física e de lazer, de participação social e de realização de AIVD (p&lt;0,05). Profissionais de saúde, principalmente terapeutas ocupacionais, podem contribuir em projetos terapêuticos e programas voltados para a saúde coletiva, auxiliando as pessoas a ampliarem seus repertórios ocupacionais e adaptarem sua vida ocupacional e cotidiana, em cenários como os vivenciados durante o período crítico da pandemia.</p> Copyright (c) //www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/3076 Trabalhos com grupos 2022-10-06T17:12:19+00:00 Narayane Rodrigues Moreira narayane.moreira99@gmail.com Raissa Raissa Hirle Krettle raissahk@hotmail.com Caroline Travesani Marchezi caroltmarchezi@gmail.com Samya Lievore Zanotelli samyalievore@gmail.com Licínia Maria Ferreira Pignaton liciniapignaton@gmail.com Izaiane Pereira da Silva izaianerafiti@gmail.com Ana Paula Monteiro Coutinho anapaulamonteiroc@hotmail.com Anna Carolina Di Francesco Pereira caroldifrancesco@hotmail.com Iolanda Paula Ribas dos Santos iolandapaula21@gmail.com Letícia Pires Dias leticiapdias@yahoo.com.br Marília Cardoso Cardoso Souza Bernardo mariliacardoso5@hotmail.com Daniela Amorim Melgaço Guimarães do Bem daniela.bem@ufes.br Lorena Rocha Ayres lorena_ayres@ufes.br Carolina Dutra Degli Esposti carolinaesposti@gmail.com <p>O Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde)/Interprofissionalidade teve por objetivo promover a interprofissionalidade e a prática colaborativa na formação superior em saúde e nos processos de integração ensino-serviço-comunidade, reconhecendo os usuários como protagonistas e co-produtores dos serviços de saúde. O objetivo deste trabalho é relatar as experiências de uma equipe do PET-Saúde/Interprofissionalidade no trabalho com Grupos de Promoção de Saúde em uma Unidade Básica de Saúde no município de Vitória, Espírito Santo. As atividades foram realizadas durante 12 meses, em grupos já estabelecidos no serviço e, também, em dois novos grupos criados pela equipe do projeto. A vivência da prática interprofissional e colaborativa da equipe PET/Interprofissionalidade junto aos grupos gerou processos disruptivos e construtivos nas vidas de todos os envolvidos. Evidenciou-se um potencial benéfico no que tange aos processos grupais e à promoção de saúde de usuários e comunidades no contexto da Atenção Primária à Saúde. Ademais, tais experiências proporcionaram uma formação mais qualificada para o trabalho em equipe e para o enfrentamento de desafios/mediação de conflitos, além do desenvolvimento pessoal por meio de trocas intersubjetivas, estéticas e políticas na vida e nas relações.</p> Copyright (c) //www.tempus.unb.br/index.php/tempus/article/view/3075 Caracterização de episódios de violência doméstica contra a mulher denunciados na pandemia da COVID 19. 2022-09-30T19:13:55+00:00 rayene mateus vieira cunha rayene.vieira@unesp.br Margareth Aparecida Santini Almeida margareth.almeida@unesp.br Dinair Ferreira Machado dinair.machado@unesp.br <p>A violência contra a mulher por parceiro íntimo não é um fenômeno recente na sociedade. No contexto da pandemia do coronavírus SARS-CoV2 medidas como o isolamento social podem ter impacto diretamente as mulheres, aumentando a vulnerabilidade a situações de violência pelo parceiro íntimo. Maior tempo com o agressor no ambiente doméstico, dificuldade de acesso às redes de proteção tornou a formalização de uma denúncia neste contexto ainda mais dificultada. Objetiva compreender o fenômeno da violência doméstica durante a pandemia da Covid 19 em um município do interior paulista. Trata-se de um estudo quali/quanti, através de análise documental, a partir de boletins de ocorrência de violência contra a mulher por parceiro íntimo em uma Delegacia de Defesa da Mulher do interior paulista, no período de 01 de março a 31 de outubro de 2020. No período foram formalizados 254 boletins de, lavrados por mulheres com idade igual e/ou acima de 18 anos. As mulheres eram predominantemente da faixa etária de 20 a 44 anos, estado civil solteira, sendo a violência psicológica o principal o agravo e para 77,0% foi solicitado medidas protetivas. Conhecer os casos de violência por parceiro íntimo possibilitará aos serviços de proteção às mulheres uma maior visibilidade para a reorganização de suas práticas, construção de estratégias e articulação da rede de serviços.<strong>&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp;&nbsp; </strong></p> Copyright (c)