Contributo para a compreensão do financiamento da saúde em Portugal: O caso dos cuidados de saúde primários, dos cuidados hospitalares e dos cuidados continuados.

Ana Escoval, Ana Tito Lívio Santos, Patrícia Barbosa

Resumo


O sistema de saúde português assenta num mix de fontes de financiamento público e privado, tal como acontece em vários países europeus.Dada a sua complexidade, pareceu útil desenvolver um artigo com o objetivo de contribuir para a compreensão do financiamento de saúde em Portugal, tendo em conta as particularidades dos cuidados de saúde primários, dos cuidados hospitalares e ainda dos cuidados continuados.Para esse efeito, foi realizada uma revisão de literatura, com recurso à B-on (Biblioteca do Conhecimento OnlineB-ON - Biblioteca do conhecimento online), através da opção “pesquisa global”, utilizando os descritores financiamento, saúde, Portugal. Como critérios de inclusão foram considerados a existência de um resumo, a disponibilidade integral do artigo online, o período temporal de publicação entre 2005-2015 e o facto de respeitar em concreto o setor da saúde.Os resultados obtidos permitiram a descrição e explicitação das formas de financiamento utilizados no setor da saúde em Portugal, assim como apresentar o modelo de financiamento nos vários níveis de cuidados: primários, hospitalares e continuados.

Palavras-chave


sistema de saúde; financiamento; saúde; Portugal.

Texto completo:

PDF

Referências


European Observatory on health Systems and Policies. Health systems in transition (hit) profile of Portugal[internet].update on user charges updates by Pedro Pita Barros;2013 mar.[consult. 26 de set. 2014]. Disponível em http://hspm.org/countries/portugal25062012/livinghit.aspx?Section=3.1%20Health%20expenditure&Type=Section

Lei Constitucional n.º 1/89 de 8 de Julho. Segunda revisão constitucional.

Instituto Nacional de Estatística. Dia Mundial da Saúde - 7 de abril.2002-2012 [internet].Lisboa: Instituto Nacional de Estatística; 2014 abril. Disponível em http://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=215806720&DESTAQUESmodo=2.

Entidade Reguladora da Saúde. Relatório Anual Sobre o Acesso a Cuidados de Saúde nos Estabelecimentos do SNS e Entidades Convencionadas (2013). Lisboa: Entidade Reguladora da Saúde; 2014.

Barros P, Machado S, Simões, J. Portugal.Health system review. Health Systems in Transition. 2011; 13(4):1–156.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Departamento de Planeamento em Saúde. Unidade Formativa “Contratualização nos Serviços de Saúde”. In Formação- Ação Contratualização nos serviços de saúde. Oradores Cláudia Borges (Departamento de Gestão e Financiamento de Prestações de Serviços de Saúde, ACSS);2014.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Departamento de Planeamento em Saúde. Contrato-Programa 2015. Metodologia para definição de preços e fixação de objetivos. Lisboa:Departamento de Gestão e Financiamento de Prestações de Serviços de Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde, Ministério da Saúde;2014.

Escoval A, Matos T, Ferreira AS, LourençoA.Contratualização interna vs. contratualização externa. Volume temático Contratualização na saúde. Rev Port Saúde Pública.2010; 9: 161-179.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Departamento de Planeamento em Saúde. Manual do processo de contratualização – hospitais e uls. Lisboa: Departamento de Gestão e Financiamento de Prestações de Serviços de Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde, Ministério da Saúde; 2011.

Escoval A. O processo de contratualização na saúde em Portugal (1996-2005). Volume temático Contratualização na saúde. Rev Port Saúde Pública. 2010; 9: 7-24.

Decreto-Lei n.º 28/2008.Diário da República, 1.ª série, n.º 38,22 de Fevereiro de 2008.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Metodologia da Contratualização para os Cuidados de Saúde Primários para o ano de 2014.[internet] Lisboa: Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde; 2014 jan [consult. 26 de set. 2014].Disponível em http://www.acss.min-saude.pt/DownloadsePublicações/CuidadosdeSaúdePrimários/tabid/118/language/pt-PT/Default.aspx.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Produção nacional. Grupos de Diagnósticos Homogéneos.[internet]. Lisboa:Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde;s.d.[consult. 26 de set. 2014]. Disponível em http://www.acss.min-saude.pt/%C3%81reaseUnidades/DepartamentoGest%C3%A3oeFinanciamentoPrestSa%C3%BAde/SClassifica%C3%A7%C3%A3oDoentes/GruposdeDiagn%C3%B3sticosHomog%C3%A9neos/tabid/460/language/pt-PT/Default.aspx.

Urbano J, Bentes M. Definição da Produção do Hospital: Os Grupos de Diagnósticos Homogéneos. Rev Port Saúde Pública.1990; 8 (1):49-60

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Preços do SNS. Cálculo do Doente Equivalente e Índice de Case-Mix.[internet]. Lisboa: Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde;s.d. [consult. 26 de set. 2014]. Disponível em http://www.acss.min-saude.pt/Publica%C3%A7%C3%B5es/TabelaseImpressos/Pre%C3%A7osdoSNS/tabid/141/language/pt-PT/Default.aspx.

Decreto-Lei n.º 12/2015. Diários da República 108/99, 1.ª- A série, de 10 de maio de 1999.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Modalidade de Pagamento da Unidades Locais de Saúde Contrato-Programa 2010-2012. [internet]. Administração Central do Sistema de Saúde, Ministério da Saúde; s.d. Disponível http://www.acss.min-saude.pt/Portals/0/Modalidade%20de%20Pagamento%20ULS%202010_12n.pdf.

Ministério da Saúde, Administração Central do Sistema de Saúde. Unidades Locais de Saúde: modalidade de pagamento : unidade operacional de financiamento e contratualização. [internet]. Lisboa: Administração Central do Sistema de Saúde. Ministério Saúde; 2009 março. [consult. 26 de set. 2014]. Disponível em http://www.acss.min-saude.pt/Portals/0/modalidadeULS09.pdf

Ministério da Saúde, Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados. Relatório de monitorização do desenvolvimento da Rede Nacional de Cuidados Continuados integrados em 2007: Resumo [internet]. Lisboa: Unidade de Missão para os Cuidados Continuados Integrados; 2008. [Consult. em 2 out 2014]. Disponívelemhttp://apfisio.pt/GrupoTrabalho/RelMonitorizacao.pdf.

Portaria n.º 224/2014. Diário da República, 1.ª série, n.º 213, 4 de novembro de 2014.

Escoval A, Ribeiro R, Matos T, Lívio A. Projeto de Investigação “Contratualização em Cuidados Continuados Integrados. Fase 2: Revisão das práticas internacionais. Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, Escola Nacional de Saúde Pública; 2012.




DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v10i1.1858



Direitos autorais 2016 Tempus Actas de Saúde Coletiva

Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________