Representações sociais, estigma e processos de reforma psiquiátrica: Uma revisão teórica de documentos e pesquisas na interface psicossocial e política

Noemí Graciela Murekian

Resumo


O interesse internacional sobre os obstáculos que interferem na evolução das experiências de reforma psiquiátrica, como o efeito regressivo
da estigmatização, segue demandando a cooperação das ciências sociais. Tem se afirmado que “não há um único modelo de reforma” e que existem formas diferentes de apropriação local das propostas de transformação. Em linha com tais assinalamentos, o enfoque teórico-metodológico inaugurado por Serge Moscovici tem mostrado sua pertinência e eficácia para abordar o sentido comum e as diversas formas de resposta psicossocial às propostas de integração social. Um antecedente particularmente relevante por seu alcance intercontinental é a enquete “La Santé Mentale en Population Générale. Image et Réalité”.
Os achados desta enquete testemunham a estabilidade das representações tradicionais da loucura além dos processos de reforma e dos contextos sócio-antropológicos.
Na América do Sul, existem estudos cotados a determinados projetos de reforma, como os do Brasil e da Argentina. Estudos empíricos e análises teóricas revelam como a evolução histórica dos espaços do encerro para os novos espaços da desinstitucionalização se vincula com as mudanças operadas nas representações da loucura e das formas de estigmatização das pessoas com transtornos mentais.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18569/tempus.v6i3.1161



Revista Tempus - Actas de Saúde Coletiva (ISSN 1982-8829).
Revista coordenada pela Unidade de Tecnologias da Informação e Comunicação em Saúde (UTICS) do Núcleo de Estudos de Saúde Pública (NESP) da Universidade de Brasília (UnB).
Licença Creative Commons
This work is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso não-comercial-Compartilhamento pela mesma licença 3.0 Unported License.
____________________________________

____________________________________